domingo, 27 de abril de 2014

ALIMENTAÇÃO DE CÃES JOVENS



A quantidade de alimento ingerido pelo cãozinho, deve suprir  as necessidades de energia e de nutrição do animal, para mantê-lo saudável,  desde que esteja dentro de sua capacidade física. Um regime alimentar satisfatório é aquele que fornece uma dieta equilibrada, numa concentração suficiente, bem dentro dos limites de seu apetite. Tal regime pode consistir de um único alimento adequado, ou de uma mistura de alimentos com concentrações diferentes.

A alimentação do filhote, fisiologicamente normal, começa no desmame que deverá começar gradativamente entre a quarta e quinta semana de idade quando os mesmos já tiveram explorado seus arredores. Nesta idade, eles aceitam alimentos macios e úmidos, que são fáceis de ingerir e, apesar de algumas pessoas pensarem que o leite ou alimentos à base de leite deve predominar num regime de desmame, esses produtos não são essenciais, há disponíveis muitas alternativas igualmente no mercado.

Nos estágios iniciais de três a quatro e meia semanas de idade, o leite da cadela é ainda a mais importante fonte de nutrientes, para que o cão tenha um completo desenvolvimento, depois disto a ingestão de outros alimentos se torna necessário e por volta das seis semanas de idade poderá ser completamente desmamada, e ser oferecido ao filhote uma dieta variada ou uma alimentação completa.
Uma vez desmamados, os filhotes crescem com rápida velocidade e necessitam ingerir grandes quantidades de alimentos, especialmente filhotes das raças que crescem rapidamente (Dogue Alemão, Pastores, Rottweiler, etc.), durante o período de seu mais rápido aumento de tamanho e peso, o consumo de alimento pode ser mais do que o dobro que consome um cão adulto de tamanho e peso semelhantes.

Contrariamente a muitas precauções e crenças populares, os filhotes não necessitam quantidades extra de minerais e de vitaminas, desde que suas exigências sejam atingidas. Isto não quer dizer que os proprietários devem excluir totalmente o uso de suplementos vitamínico-minerais. Quando uma dieta balanceada (ração) é fornecida eles não parecem ter nenhum benefício e se em quantidades não precisam, absolutamente de suplementação. Misturas feitas em casa, de carne e cereais, que são deficientes em cálcio e em vitamina D, necessitam ser suplementadas com quantidades razoáveis destes constituintes para atingir os níveis satisfatórios para dieta de cães em crescimento.
Um aspecto importante da alimentação dos cães em crescimento, que se constitui numa preocupação de quase todos os que já tiveram um filhote, é o efeito da dieta na quantidade e na consistência das fezes e na frequência de sua disposição. As fezes não são simplesmente os resíduos indigeríveis dos alimentos, mas também contém outras substâncias. A massa, ou volume fecal, depende de várias coisas como: Matérias indigeríveis no alimento,  balanço de fluídos dentro do trato alimentar. O alimento é apenas um dos fatores que influenciam a massa e consistência fecal. Em geral, os alimentos de alta digestibilidade resultam em quantidades menores de fezes bem formadas, mais isto nem sempre ocorre desta maneira. Um dos fatores que influenciam na fluidez das fezes é a velocidade de passagem do alimento pelo trato digestivo. A ingestão de quantidades maiores do que o normal pode acelerar a passagem, dando assim um tempo insuficiente para que ocorra a absorção e a reabsorção de água no intestino grosso.


A observação por vários dias após uma mudança na dieta ou no manejo alimentar é provavelmente a melhor maneira de chegar a uma combinação adequada do alimento e manejo, para o filhote individualmente.

Fonte: Publicado na revista Bichos de Estimação – Ano II - nº 07
Por Dr. Rômulo Vieira Lemos - (Nutrição de cães)

Nenhum comentário:

Postar um comentário