terça-feira, 6 de outubro de 2015

CÃES IDOSOS

Visitas frequentes ao veterinário aumentam a expectativa de vida dos animais

Pets na fase senil requerem cuidado redobrado com doenças comuns da idade

Os cães apresentam os primeiros sinais de velhice em torno do sétimo ou décimo ano de idade. De acordo com o Dr. Marcelo Quinzani, veterinário do Pet Care, um cão pode ser considerado idoso quando já viveu 75% de sua expectativa de vida e esse cálculo depende da raça do animal. “Quanto maior a raça do cão, menos tempo ele vive e, consequentemente, se torna idoso mais cedo”, explica o profissional.

O aparecimento de pelos brancos no focinho e ao redor dos olhos, a perda de vitalidade, disposição e a dificuldade em fazer alguns esforços físicos já não são mais os únicos transtornos apresentados. Quando o pet chega à idade senil, os processos degenerativos tornam-se mais comuns e passam a progredir de maneira mais rápida, comprometendo a saúde do pet. “Atualmente, ressaltamos a obesidade e doenças relacionadas a ela como os problemas mais frequentes e mais precoces no processo de envelhecimento canino”, completa.

Para Quinzani, doenças hormonais, como Hipotireoidismo e Hiperadrenocorticismo, também são muito comuns nesta fase e, quanto mais idoso o animal, maior será sua predisposição para desenvolver tumores e neoplasias. Daí a importância das visitas cada vez mais frequentes ao veterinário.

Acompanhamento veterinário

Por não serem como os seres humanos, que podem dizer que tipos de dor estão sentindo, os cães idosos necessitam de uma observação contínua feita por seus donos. Quando atingem uma idade mais avançada, os animais também exigem visitas com uma frequência maior ao veterinário para a realização de exames periódicos.

Segundo Quinzani, estas são as ferramentas principais para a descoberta precoce de doenças e processos degenerativos. “Exames de ultrassom, ecocardiograma, raio-x de tórax, mensuração da pressão arterial, dosagens hormonais e exames de sangue e urina devem ser realizados de acordo com a avaliação do médico veterinário”, conclui.

Alimentação e banho

A alimentação é um fator bastante relevante para manter a longevidade do pet. É importante que os donos saibam controlar a qualidade e a quantidade de calorias dos alimentos oferecidos ao animal. “A dieta e o volume dos alimentos mais indicados para cada raça e idade fazem parte do cuidado nutricional durante a vida e, principalmente, durante a velhice do pet”, destaca o especialista.

Em relação aos banhos, para evitar traumas físicos ou problemas na coluna e nas articulações, é necessário um cuidado especial. “Esse animais sentem mais dor e tem limitações de movimentos que devem ser respeitadas tanto nos banhos quanto em outras atividades físicas”, alerta o veterinário, que destaca ainda a importância da escovação e tratamento dentário, que garantem a saúde bucal para a maioria dos cães, diminuindo os riscos de doenças mais sérias, aumentando ainda mais a expectativa de vida.

Sobre o Hospital Veterinário Pet Care 
Fundado em 1990, o Hospital Veterinário Pet Care oferece a mais completa estrutura de atendimento clínico, cirúrgico e diagnóstico para pequenos animais. Seu corpo clínico é constituído por mais de 80 veterinários e especialistas altamente qualificados, com formação nas melhores escolas de Medicina Veterinária.

Com atendimento 24 horas para casos emergenciais, o hospital atende a diversas especialidades (entre elas cardiologia, neurologia, ortopedia, endocrinologia e dermatologia) e conta com equipamentos de diagnósticos de última geração, plano de saúde próprio (com direito a tratamento periodontal), salas de internação eUnidade de Terapia Intensiva (UTI).

Serviço: 
Hospital Veterinário Pet Care     
Unidade Ibirapuera: Av. República do Líbano, 270 – São Paulo
Unidade Pacaembu: Av. Pacaembu, 1839 – São Paulo
Unidade Morumbi: Av. Giovanni Gronchi, 3001 – São Paulo
Unidade Tatuapé: Rua Serra do Japi, 965 – São Paulo

Redes sociais:

Por Lais Silva | Central de Fontes Comunicação 


Nenhum comentário:

Postar um comentário