Estudantes se mobilizam em campanha para auxiliar nos custos de animais resgatados de abandono e maus tratos

De janeiro deste ano até abril, foram recolhidos 50 kg de tampinhas

Projeto é viabilizado em parceria com a ONG Proteção Animal Resgate e cerca de 24 estudantes do 3º ano, do Ensino Fundamental 1



Para desenvolver a responsabilidade social e trabalhar a conscientização com relação à sustentabilidade ambiental e à defesa de animais abandonados, o Colégio Santa Marcelina de São Paulo lançou o projeto "Tampinhas Solidárias", idealizado por cerca de 24 estudantes do 3º ano A, do Ensino Fundamental Anos Iniciais, em parceria com a ONG Proteção Animal Resgate, liderada por Luiz Scalea, mentor e responsável pelo resgate de animais abandonados. 

 

Até abril de 2024, foram recolhidos 50 kg de tampinhas plásticas. Segundo a professora do Colégio Santa Marcelina de São Paulo, Priscilla Macedo da Costa, os estudantes são os grandes responsáveis por mobilizar toda a comunidade, desde familiares, equipe, vizinhos e parentes, para a arrecadação dos itens, que são enviados ao Luiz Scalea, responsável por vender os materiais às indústrias. “Desta forma, com os recursos financeiros obtidos, é possível providenciar a castração dos animais, que, em seguida, são encaminhados para a adoção”, afirma.

 

De acordo com Priscilla, além de ajudar o meio ambiente e incentivar a castração, a iniciativa também contribui para reduzir a ingestão de plástico pelos animais, que muitas vezes acabam morrendo por esse motivo.


 

A idealização do projeto

 

Priscilla relembra que o projeto se iniciou em 2023 com a turma do 2º ano e foi retomado no ano de 2024 com a turma do 3º ano. “Os estudantes são os principais protagonistas do projeto, desempenhando uma participação social ativa na campanha e se envolvendo em todas as etapas, desde a criação do projeto, a pesquisa sobre a problemática e apresentação de dados, até a arrecadação e entrega efetiva das tampinhas”, comenta.

 

A docente explica, ainda, que a iniciativa estimula a formação de valores humanos nas crianças, além de trabalhar habilidades em diversas disciplinas. “Nas aulas de Artes, por exemplo, os estudantes elaboraram uma mascote e cartazes de divulgação. Já em  tecnologia, trabalharam toda a parte de divulgação do projeto nas redes sociais e em Ciências fomentaram a importância da castração”, finaliza Priscilla. 


O Instituto Internacional das Irmãs de Santa Marcelina foi fundado em 1838 por Monsenhor Luigi Biraghi, com o auxílio de Marina Videmari, em Milão, na Itália. Dedicada à educação, à saúde e à assistência social, a Congregação difundiu-se globalmente a partir da instituição de colégios, hospitais e obras sociais. 

Atualmente, presente em 8 países, espalhados por 3 continentes, e em 17 municípios e 9 estados brasileiros, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Tocantins, o Instituto segue com a missão de levar adiante, com empenho e entusiasmo, a educação, a formação, a cura e a construção do ser humano íntegro e da sociedade. Tudo isso alinhado a uma metodologia inovadora de aprendizagem, que, por sua vez, está alinhada às principais tendências do mercado educacional.


Por Igor Lima - EPR Comunicação