Comportamentos Curiosos Definem os Felinos

Gato e torneira

Curiosidade define bem o espírito livre dos gatos. Eles exploram, observam, interrogam e sondam o mundo ao seu redor. Qualquer objeto novo ou uma simples mudança nos móveis da casa já é capaz de deixar o felino bastante intrigado. Mas, de onde vem este comportamento?
O gato foi domesticado há quase 6 mil anos, mas seu etograma (lista de comportamentos naturais da espécie) permanece o mesmo. As nove necessidades comportamentais básicas são idênticas, independentemente do estilo de vida do bichano, sendo elas: caçar, brincar, comer, esconder-se, observar, explorar, marcar território, dormir e higienizar-se. Ainda que a domesticação produza mudanças na duração de cada uma dessas atividades, até o gato de vida doméstica é um gato com uma vida de gato.

Gatos Ganham a Preferência dos Brasileiros


População Felina Aumentou 20% nos Últimos 6 anos


Foto: Eduardo Guimarães Gato: Meau

Domesticação tardia e mitos da espécie levam as pessoas a conhecem muito pouco as características dos felinos



Na corrida pelo coração do homem, os cães largaram na frente. Porém, pouco a pouco, vem chamando a atenção o aumento expressivo do número de gatos como animais de estimação. A população de gatos cresce mais do que a canina e, em nações como Estados Unidos, França e Alemanha, já é maioria. No Brasil, o número de bichanos é de mais de 23,5 milhões e nos últimos 6 anos, segundo dados do IBGE 2017, esse número cresceu mais de 20%. Na proporção em que aumentam nos últimos anos – duas vezes mais do que os cães – a previsão é que os felinos assumam a dianteira do ranking daqui a dez anos.

Seu Cão Vive Puxando a Guia Durante a Caminhada?

Aprenda alguns truques para tornar o passeio mais agradável


Quem nunca viu um dono sendo arrastado pelo seu cão durante o passeio? Você passa por isso? Sabia que ensinar o seu cachorro a usar coleira e guia para tornar o passeio tranquilo é muito mais fácil do que você imagina?

Para o adestrador e especialista em comportamento canino Ricardo Tamborini, tudo começa com a escolha do material correto. Em primeiro lugar, é importante utilizar guia e coleira adequados ao tamanho do cão.

“Não é recomendado o uso de coleira peitoral, pois os peitorais foram inventados para animais de tração (animais que carregam muito peso) e farão com que o cão ande na sua frente e puxe cada vez mais, tornando o passeio desagradável. Lembre-se de que quem deve andar na frente é você (o líder). O cão deve andar atrás ou ao lado”, destaca.

Como Apresentar a Casa e a Família ao Seu Recém Chegado Cãozinho

Seguindo este passo a passo é possível ter um ótimo cão, comportado e muito obediente


Ter um cãozinho de estimação fazendo parte da família é uma experiência fantástica. Mas para que o novo membro da família saiba como se comportar em sua nova casa é preciso mostrar-lhe tudo o que ele pode ou não fazer, como deve interagir com as pessoas, quais são os brinquedos dele e também qual o local em que ele deve urinar e defecar. 

Para que tudo isso ocorra de forma agradável para o cão, é necessário passar essas informações com muita naturalidade para que ele realmente compreenda como deve se comportar no dia a dia. No entanto, é nesse ponto que muitos donos acabam errando.

Para Ricardo Tamborini, adestrador e especialista em comportamento canino, a maioria das pessoas compra ou adota um cachorro, seja adulto ou filhote, e simplesmente o deixa explorar a casa. “Os donos se esquecem de apresentar a ele todos os membros da família e quais cômodos da casa ele pode frequentar livremente. E, assim, o pobre cachorro não tem ideia do que está acontecendo ou de onde ele está”, ressalta.

Você sabia que o Coelho não é um roedor?

Desmistificando o Símbolo da Páscoa


Há mais de uma década atrás, foi descoberto que o coelho possui quatro(em vez de dois) dentes na mandíbula superior(o segundo par está atrás do par visível). Essas e outras características fazem do coelho um "Lagomorfo".

Os Lagomorfos ... Leia mais ...

Eventos Movimentam os Pets

Os blocos Cão-Fuçú e Cão Folia, além das Etapas do Campeonato Paraibano de Agility movimentaram os Pets em João Pessoa


Cão-Fuçú Bloco bom pra cachorro


O Cachorrão marcou presença
No dia 17 de fevereiro o Bloco Cão Fuçú arrastou centenas de foliões que vestiram a camisa e a fantasia no seu cãozinho e caíram na folia,  aproveitando para ficar ainda mais próximo dos seus amiguinhos. Essa iniciativa contou com o patrocínio e apoio de empresas do setor, e os participantes que marcaram presença em mais um bloco bom pra cachorro.

Participação Especial Equipe Canis PB Team 

PORQUINHO DA ÍNDIA

Nem é Porco Nem é da Índia


O Porquinho da Índia (Cavia Porcellus) é conhecido por vários nomes: Cobaia, Coelhinho da índia, Cuí, Porco da Guiné e Preá, este último, na verdade, um parente próximo que vive na natureza (Cavia Aterea). Confunde-se também com coelho ou mesmo com hasmster. Mas se isso é freqüente no Brasil, o mesmo não acontece na Europa, onde os Porquinhos são tão populares que existem clubes especializados em vários países e até participam de exposições de beleza. Isso mesmo, eles são julgados, como se faz com cães e gatos.

Apesar do nome, o Porquinho da Índia não é da família dos suínos e nem tão pouco da índia, ele recebeu esse nome por conta do barulhinho que faz que se assemelha ao do porco e, na verdade, ele é originário da América do Sul que, no período colonial, era chamada de Índias Ocidentais.

Os porquinhos são sociais sendo eles bichinhos gregários, vivendo em grupos de dois ou mais na natureza. É bastante recomendado a criação de mais de um exemplar, preferencialmente do mesmo sexo para evitar a reprodução demasiada.

Os Cuidados


O Porquinho da Índia vive em média de 4 a 8 anos, ele é um bichinho herbívoro e se alimenta basicamente de capim ou feno, verduras cruas (cenoura, batatas, entre outras), algumas frutas, rações especificas e até ração para coelhos, não sendo esta última muito recomendada. Eles devem receber uma alimentação bem diversificada e rica em vitamina C, porque o organismo deles não produz a vitamina, devendo a mesma estar presente diariamente na alimentação.

Dentre os roedores criados aqui no Brasil, é um dos poucos que pode tomar banho com água. Eles podem crescer até 25 ou 30 cm e chegam a pesar 1,5 kg.

Eles podem ser criados soltos, em gaiolas de madeira ou em gaiolas de coelho com fundos de plástico, já existem no mercado as gaiolas especiais para os porquinhos. Aconselha-se a usar bebedouros do tipo mamadeira para que eles não derramem a água na serragem de forração da gaiola e os comedouros devem ser grandes e próprios para roedores, para que eles não os virem com facilidade.

via GIPHY
O Manuseio


Os porquinhos não têm o hábito de pular e nem de morder, são um pouco assustados por serem descendentes dos Preás do mato, que são muito ariscos. Dentro de poucos dias eles se acostumam com sua voz e cheiro e se tornam animais muito dóceis e carismáticos.

Com um pouco de paciência e dedicação se consegue ensinar alguns truques à eles e pode acostumá-los a atender pelo nome, para isso comece aos poucos, chamando-os pelo nome, sempre com o mesmo tom, e oferecendo-lhes um tipo de verdura ou algum alimento que eles gostem.

A Reprodução


O primeiro cio acontece a partir dos três ou quatro meses de idade, entretanto a fêmea só estará madura para acasalar aos 6 meses quando entrará na fase adulta. A gestação de uma porquinha dura cerca de 60 dias e nasce de um a seis filhotes. A mamãe porquinha dar as crias geralmente num canto da gaiola que tenha a forração da serragem ou capim. Diferente de outros roedores (Hamster, Esquilos da Mongólia, Rato Topolino, dentre outros), os filhotes dos porquinhos já nascem coberto por pêlos, de olhos abertos e comendo normalmente.


Aconselha-se evitar a presença do macho junto a porquinha no momento da cria, pois após quatro dias do nascimento dos filhotes, ela entra em novo cio e seu companheiro vai insistir no acasalamento, podendo machucar os filhotinhos e ocorrerá uma gravidez consecutiva desgastando a fêmea.

Para diferenciar quem é o macho e a fêmea, deve-se fazer alguns procedimentos simples. Nos machos o órgão genital tem o formato de “I”, onde a parte superior é maior do que nas fêmeas e se pressionando um pouco acima, o órgão sexual logo aparece.

Nas fêmea o órgão genital tem um formato de “Y” e se pressionara parte um pouco acima nada acontece, ficando visual o formato do “Y”.

As Cores e Pelos


O Porquinho da Índia na cor selvagem são cinza e de pelo curto, porém após anos de seleção e mutações temos hoje uma variedade enorme de cores e pelagens.

Com diferentes raças de porquinhos foram surgindo cores e pelagens exóticas, as mais comuns encontradas são tricolores com branco, preto e o marrom. Nas pelagens  as mais comuns são Pelo curto inglês (pelo curto), Abissínio 
(formato do pelo rosetas), Angorá ( pelo um pouco comprido), Sheltie ( pelagem bem lisa e longa) e os Peruanos ( pelos bem longos).

Conheça mais raças de Porquinhos da Índia neste site !

Veja mais artigos recomendados!

COMDOR 2019 Reunirá Médicos Veterinários

Com proposta inédita, COMDOR 2019 reunirá médicos veterinários em Campinas para debater alternativas de minimizar a dor animal

Evento ocorrerá entre 18 a 20 de abril e contará com especialistas que atuam diretamente nos cuidados de cães e gatos


Campinas sediará a primeira edição do Congresso Medvep de Dor em Veterinária (COMDOR 2019), durante os dias 18 e 20 de abril, no Expo Dom Pedro.Pioneiro no país, o evento é destinado a médicos veterinários que trabalham com pequenos animais (cães e gatos) e abordará de forma multidisciplinar a Algologia Veterinária (Clínica da Dor) no contexto da saúde animal. O COMDOR 2019 será estruturado em três eixos principais, com abordagem de uma temática por dia: Dor Aguda (18.04); Dor Crônica (19.04) e Reabilitação Animal (20.04).

Presença de Animais de Estimação na Escola

A Presença de animais de estimação facilita a

 transição de crianças para uma nova escola

Presença de pets nas escolas também aprimora o aprendizado em crianças.

Todos os anos, mais de 7 milhões de crianças mudam de escola, o que pode ser uma experiência angustiante e solitária. Estudos realizados pelo Centro de Nutrição e Bem-Estar Animal WALTHAM®, parte da Mars Petcare, comprovam que o contato com pets é cada vez mais positivo para o bem-estar das pessoas e que eles desempenham um papel importante na vida das crianças, ajudando-as, inclusive, a serem mais saudáveis, criar senso de responsabilidade, estreitar laços de amizade e desenvolver empatia.
Sabendo disso, a Mars Petcare firmou parceria com duas escolas dos Estados Unidos (Steindorf Steam School, em San Jose/Califórnia, e também com a Chelsea Academy, em Front Royal/Virgínia) para comprovar como os pets podem contribuir e facilitar a transição de crianças para uma nova escola. Os resultados foram incríveis e destacam o poder dos animais de estimação para reduzir o estresse, aliviar sentimentos de ansiedade social e ajudar as crianças a se conectarem com os novos colegas estudantes. O Vice Presidente de Marketing da Mars Petcare nos Estados Unidos, Craig Neely, reforça  que “as habilidades dos animais de estimação e o impacto positivo que eles têm em nossas vidas são notáveis e, no caso desta parceria, ajudando a tornar os primeiros dias em uma nova escola menos estressante e intimidante para uma criança".