Saúde felina: cuidados com os gatos na primavera

 

Vanessa Zimbres, da Clínica Gato é Gente Boa, é médica-veterinária especializada em medicina felina










Algumas plantas são tóxicas e podem levar os animais à morte


Lírios: belos, porém letais

No caso dos gatos, uma planta que apresenta grande perigo é o lírio, explica Vanessa Zimbres, médica-veterinária especializada em medicina felina e diretora da Clínica Gato é Gente Boa, em Itu-SP. “Vale para qualquer tipo de lírio. Todas as partes da planta são extremamente tóxicas para os gatos e podem causar injúria renal aguda, ou seja, lesões que se iniciam com a perda da função renal e podem levar até mesmo à morte”.


Além dos lírios, plantas como: azaleia, antúrios, hibisco, comigo ninguém pode e espada de São Jorge também são tóxicas para os felinos.


Vanessa reforça que, além da jardinagem do ambiente onde o gato convive, é preciso se atentar a outros elementos comuns na estação e que prejudicam a saúde dos animais e até mesmo dos humanos. “É importante que os animais fiquem em ambiente seguro. Gatos que circulam pelas ruas ou locais desconhecidos, podem também ter acesso a fertilizantes, herbicidas e pesticidas, além das plantas tóxicas”, diz.


A especialista enumera outros problemas que podem ocorrer. “A prevenção de ectoparasitas deve ser redobrada. Nessa época, aumenta a infestação por pulgas e carrapatos, que podem causar diversas doenças infecciosas, parasitárias e alérgicas”.


Nesse aspecto, a veterinária reforça que para os gatos “só devem ser usados antipulgas indicados para eles e de acordo com o peso do animal. Por isso, é preciso sempre buscar orientação de um profissional”.


Outro ponto é o acúmulo de água das chuvas, que pode estar contaminada com urina de ratos, causando leptospirose. “Embora seja menos comum em gatos, sendo os cães mais susceptíveis, a doença pode afetar humanos”.


Vanessa complementa que, nessa época, casos de alergias são comuns, seja pelo pólen das plantas ou devido a fungos que se aproveitam da umidade.


Cuidados e ambiente adequado

O ideal é que os gatos não convivam ou não tenham acesso a ambientes que tenham plantas tóxicas. Caso isso ocorra e o gato faça a ingestão de lírio, o socorro deve ser imediato. “Quanto antes o animal for assistido, melhores as chances de recuperação. A injúria renal causada pela planta pode não se manifestar inicialmente, dependendo do grau de exposição, porém, o gato sofrerá as consequências futuramente”, orienta Vanessa.


Caso o contato tenha sido com outras plantas, o animal pode apresentar sintomas, como: salivação, desorientação, vômitos, entre outros, que podem fazer com que o gato deixe de se alimentar e sofra as consequências da anorexia.


Para enriquecer o ambiente e deixa-lo no clima da primavera, é possível substituir plantas e incluir elementos para que os gatos fiquem seguros. “Algumas opções de plantas são lavanda, orquídea, bromélia, camélia e suculentas, além das plantinhas que os gatos adoram, como: hortelã, catnip, e graminhas para gatos”, cita.


Por Alexandre Meiken - JF Gestão de Conteúdo



Tudo sobre eventos pet

Agenda - Congressos -Exposições - Feiras - Campeonatos - Seminários 


Cãominhada e Desfile de Cães - Dia 15 de Outubro de 2022

Congresso de Medicina Veterinária em Salvador

 

O evento acontecerá dias 14 e 15 de outubro e é voltado para veterinários e estudantes que querem aprimorar seus conhecimentos em diversas áreas da saúde animal


Nos dias 14 e 15 de outubro o Hotel Deville Prime, em Salvador (BA), receberá a 3ª edição do Manada Content, congresso idealizado pela Fórmula Animal ― rede de franquias de farmácia de manipulação veterinária. O evento, dirigido a veterinários e estudantes, tem como objetivo proporcionar um ambiente de troca de informações e experiências para aqueles que querem enriquecer e aprimorar seus conhecimentos em diversas áreas da medicina veterinária, como oftalmologia, cardiologia, gastroenterologia, felinos, medicina preventiva, dentre outras áreas essenciais.


“Na Fórmula Animal, acreditamos que a informação e aprimoramento dos profissionais é de extrema importância e temos outras ações nesse sentido. Um exemplo é o Elefonte, criado em 2021, que é um portal feito para os profissionais da área de veterinária, com materiais sobre gestão, finanças e marketing, entre outros assuntos. Por isso, o Manada Content é mais do que um congresso, é um espaço para a união de pessoas em prol do bem-estar animal e que buscam o que há de mais atual e inovador no campo da medicina veterinária”, comenta Renata Piazera, farmacêutica e CEO da Fórmula Animal.


Os dois dias de evento contarão com uma programação completa, com palestras ministradas por especialistas, oficina prática, experiência cultural, entretenimento e networking. As inscrições podem ser feitas na plataforma Sympla e o valor de investimento é de R$ 400.

 

Programação Manada Content


14 de outubro


16h - Abertura

17h – Palestra 1 | Dra. Raquel Calixto (especialista em felinos) - Tema: Diagnóstico e tratamento das retroviroses felinas

18h30 - Palestra 2 | Dr. Marlos Gonçalves de Souza (cardiologista) – Tema: Cardiopatias usuais em animais de companhia: o que o clínico veterinário precisa saber

20h – Saída para tour


15 de outubro


9h às 17h - Oficina “Faça seu shampoo!” e Palestras bônus (temas em definição)

9h – Palestra 3 | Dra. Maria Alessandra Del Barrio (especialista em doenças infecciosas) - Tema: Desatando os nós da Lipidose Hepática Felina

11h – Palestra 4 | Dr. Fábio Brito (oftalmologista) - Tema: Como manejar as úlceras de córnea na clínica geral

14h – Palestra 5 | Dra. Nora Munoz (medicina preventiva) - Tema: Por que a prevenção salva vidas?

16h – Palestra 6 | M. Carolina Farah Pappalardo (gastroenterologista) - Tema: Diagnóstico e tratamento da mucocele biliar

17h30 – Palestra de Encerramento | Rafael Baltresca (especialista em neurolinguística e hipnólogo) – Tema: O poder é seu (sobre a influência do subconsciente para o sucesso)

19h - Happy hour de encerramento


Serviço:


Data: 14 e 15 de outubro de 2022

Onde: Hotel Deville Prime - R. Passárgada, S/n – Itapuã - Salvador - B

Inscrições: clique aqui e inscreva-se!


Por João Vitor Zotini - Tramaweb 



Tudo sobre eventos pet

Agenda - Congressos -Exposições - Feiras - Campeonatos - Seminários 




Veterinário alerta para o perigo de intoxicação em animais

 

Quanto antes o diagnóstico mais chances de minimizar os efeitos. Hemodiálise pode ajudar no tratamento dos casos de intoxicação e envenenamento


Após recentes casos de intoxicação por etilenoglicol, muitos tutores estão preocupados em como identificar e tratar seus pets em caso de possível intoxicação. Por isso, o veterinário do Hospital Veterinário Veros, Rafael Trevisan, alerta aos primeiros sinais que o animal pode apresentar.

 

Segundo o especialista a principal função do etilenoglicol é agir como anticoagulante em países com temperaturas extremas, e aqui no Brasil, para resfriamento de máquinas, tratamento de ferrugens de motor e radiador de carros. Mas casos recentes colocaram um alerta importante sobre o tema envenenamento.

 

Avaliar os sintomas como diarreia, vômito e falta de apetite são possíveis indícios de intoxicação. “Caso seu pet esteja com algum desses sintomas é imprescindível a procura imediata por um especialista para avaliar de perto as causas e indicar o melhor tratamento”, afirma o veterinário.

 

O diagnóstico, na maioria das vezes, é por anamnese com histórico de ingestão alimentar e, quando identificada a intoxicação nas primeiras horas, é feito lavagem estomacal ou a utilização do carvão ativado para neutralizar qualquer resido da substância que não tenha sido absorvida.

 

“O álcool etílico também é utilizado – com acompanhamento médico - para neutralizar o envenenamento e agir no fígado, com o objetivo de minimizar os prejuízos para o animal”, recomenda o especialista.


“Caso seu pet esteja com algum desses sintomas é imprescindível a procura imediata por um especialista..."

 

Outro ponto importante para a efetiva recuperação do animal é uma avaliação renal e hepática minuciosa com exames de sangue ou urina que irão detectar o aumento de toxinas na corrente sanguínea, podendo reduzir ou até mesmo parar a produção de urina, além da ultrassonografia. Casos de insuficiência renal podem ser diagnosticadas em casos de envenenamento.

“A partir do diagnóstico da insuficiência renal entramos com a hemodiálise para ajudar a retirar parte das enzimas”, recomenda o médico. Caso o diagnóstico seja recente, o tratamento irá ajudar no equilíbrio ácido básico no sangue controlando o PH e as toxinas que o rim não consegue mais depurar. Segundo o especialista o que se recomenda, no geral, é um tratamento de uma semana a 10 dias, com hemodiálises esporádicas até a recuperação e evolução do quadro do animal.

 

É importante salientar que, uma vez diagnosticado o quadro de insuficiência renal, o animal poderá desenvolver a doença de forma crônica, precisando ser monitorado para o resto da vida dele, porém levando uma vida normal.



Por Mariana Muzardo - ICCOM



Feira Super Pets Mag Shopping

De 14 a 16 de Outubro



Pesquisa indica que problemas renais e urinários são as doenças mais comuns entre os gatos no Brasil

 


Levantamento promovido pela Comissão de Animais de Companhia (Comac) do Sindan entrevistou profissionais da área sobre o exercício da atividade e tendências do setor veterinário


As principais doenças que afetam os gatos estão relacionadas ao trato urinário, de acordo com médicos veterinários de todos o Brasil. Os profissionais identificaram problemas renais e urinários em 64% dos felinos, segundo a pesquisa Radar Vet, realizada pela Comissão de Animais de Companhia (COMAC) do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan). O número é 15 pontos percentuais menor do que o observado na pesquisa realizada em 2018. “É importante que os responsáveis de um pet não deixem de realizar consultas, vacinas e, quando necessário, medicação”, defende Andre Castro, coordenadora da COMAC.

 

Além disso, houve um aumento consideravelmente nos casos de FIV/FELV, conhecida como leucemia felina, que saltou de 15% para 42% entre 2018 e 2021. Os dados também mostram que 21% dos profissionais identificaram doenças gastrointestinais nos gatos. Para Andrea, as informações ressaltam a importância do cuidado preventivo na saúde animal. “Principalmente entre os gatos, os tutores tendem a postergar ou não realizar consultas periódicas aos veterinários, indo somente em casos de emergências ou com condições aparentes. O acompanhamento regular ajuda a identificar mais rapidamente sintomas das doenças renais e do trato urinário, contribuindo para o tratamento e o bem-estar geral nos animais”.


 

PRINCIPAIS DOENÇAS DOS GATOS


Em relação aos medicamentos veterinários mais prescritos para uso em casa, o ectoparasiticidas (voltado para a eliminação de pulgas e carrapatos) teve um aumento expressivo. De acordo com a pesquisa Radar Vet, enquanto em 2018 ocupava o 4º lugar, em 2021 subiu para o primeiro no ranking. Os vermífugos também apresentam aumento de prescrições ficando em 2º lugar, enquanto os antibióticos orais e os anti-inflamatórios apresentaram queda, apesar de continuarem sendo parte das principais medicações utilizadas.

 

A pesquisa também revela que 94% dos veterinários prescrevem produtos humanos ou medicamento manipulado para os animais. A proporção de produtos humanos prescritos é maior do que a proporção de medicação manipulada, 33% e 23%, respectivamente. Os medicamentos dermatológicos são os que mais se destacam entre os manipulados, mas há um crescimento nas classes de medicamentos hepáticos, gástricos e hepatoprotetores. A principal justificativa para o uso de medicação manipulada, sobretudo entre autônomos, é a melhor adequação da dosagem. As particularidades do paciente e o meio de acesso/disponibilidade no mercado também são motivos mencionados por uma parcela considerável dos respondentes.

 

A compra de produtos veterinários é outro ponto de atenção. Anualmente, milhares de produtos falsificados são apreendidos no Brasil. De acordo com a Associação Brasileira de Combate à Falsificação (ABCF), itens como medicamentos - inclusive para uso animal - produzidos com matérias-primas de baixa qualidade, sem bioequivalência ou mesmo com princípios ativos diversos dos anunciados ou em quantidades diferentes, podem causar sérios problemas de saúde nos animais e colocar em risco a segurança dos nossos alimentos. “Precisamos conscientizar a população sobre a utilização correta de medicamentos e sobre a gravidade de utilizar produtos piratas, pois colocam em risco a vida e a saúde dos animais”, alerta Andrea Castro.

 


*Fundado em 1966, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) congrega 91 empresas responsáveis por cerca de 90% do mercado brasileiro de medicamentos veterinários. Entre as suas atribuições, estão a representação legal das indústrias de saúde animal perante os órgãos oficiais, a produção de estudos, coordenação de campanhas sanitárias e educativas, além da comunicação e defesa da reputação do setor. Saiba mais no site do Sindan.

 


*COMAC (Comissão de Animais de Companhia) foi criada em 2007 e trata dos interesses de um dos mais importantes e crescentes segmentos da indústria veterinária brasileira e mundial, o mercado de cães e gatos.

A instituição surgiu com a necessidade de cuidar do mercado de animais de companhia e, por meio da interação com os principais players desse mercado, a COMAC executa ações que estimulam o desenvolvimento do mercado pet brasileiro, principalmente das áreas ligadas à saúde animal.



Por Carlos Vinicius Amorim  - Fundamento RP 





Tudo sobre eventos pet

Agenda - Congressos -Exposições - Feiras - Campeonatos - Seminários 



Os cachorros da Rainha: Saiba mais sobre o Corgi

 

Exemplar da raça Corgi

A monarca britânica teve cerca de 30 cães da raça ao longo de seus 96 anos


Além de deixar sua marca registrada na história como uma importante líder mundial, a Rainha Elizabeth II era uma grande petlover. Desde a adolescência, a monarca - que faleceu nesta semana e foi a soberana britânica de mais longo reinado - já teve aproximadamente 30 cachorros da raça Corgi, quase todos descendentes de sua primeira companheira de quatro patas, Susan, um presente pelos seus 18 anos.
 

Mas por que a paixão de Elizabeth II pelos Corgis? A médica-veterinária e coordenadora de conteúdo do Grupo Petlove, Jade Petronilho, aponta algumas características desta raça que ajudam a explicar o encantamento da Rainha pelos cães. “Os Corgis são conhecidos mundialmente por serem os favoritos da Rainha Elizabeth. Toda a família real tem uma paixão especial pela raça. Eles têm uma aparência 'rebaixada' e se assemelham às raposas, principalmente devido às suas orelhas compridas e eretas. O que poucos sabem, na verdade, é que os cães atuais da Rainha são os Dorgis, uma mistura de Dachshund com Corgis. Ambos são cachorros inteligentes e extremamente amorosos. Leais e adaptáveis, são perfeitos tanto para pessoas que moram em apartamentos quanto em casas com espaços maiores".
 

Originalmente, o Corgi - ou Welsh Corgi - foi criado para pastorear gado, ovelhas e até cavalos, mas rapidamente ganhou seu espaço como um animal de estimação, graças ao seu temperamento afetuoso, fiel e inteligente. A especialista explica que a raça é muito adaptável e que pode viver tranquilamente tanto em um quintal ou grande jardim quanto dentro de um apartamento enxuto.
 

Suas pernas curtas, coxas musculosas e peito profundo permitem que os cães sejam firmes, ágeis e possuam uma energia pouco vista em cães do mesmo porte, tendo em média de 25 a 30 centímetros de altura e um peso de até 13Kg.

A pelagem dos Corgis é dupla e densa, podendo ser curta ou longa, com coloração zibelina, vermelho, preto, três cores ou fulvo, normalmente com manchas brancas em algumas áreas do corpo. Os pelos requerem pouquíssimos cuidados no dia a dia, sendo uma escovação semanal o suficiente para mantê-la saudável e sem fios mortos -- a frequência deve aumentar durante o período de troca de pelagem.
 

Jade comenta ainda que o Welsh Corgi tem duas variedades: o Pembroke e o Cardigan. Eles foram registrados como uma única raça até a década de 1930, apesar de muitos criadores acreditarem que ambos foram desenvolvidos separadamente e, por isso, deveriam ser duas linhagens distintas. Os dois tipos são bem parecidos, até mesmo em relação ao temperamento e habilidades de pastoreio, mas o Pembroke é um pouco menor e mais leve que o Cardigan.
 

Para quem estiver pensando em adotar um Corgi, a especialista lembra que, apesar de ser dócil e se adaptar bem a diferentes ambientes, o cão precisa de uma rotina de atividades diárias para manter sua saúde em dia, bem como ter um local tranquilo para poder descansar, longe de grandes agitações.


 

 

*Fundada em 1999, o Grupo Petlove iniciou suas atividades como um e-commerce, pioneiro no setor no país, e hoje se consolida como o primeiro ecossistema pet no Brasil. Atualmente, a companhia engloba outras frentes de negócios, como saúde, hospedagem e serviços, sempre focada em oferecer soluções completas para tutores e pets, seja no mundo virtual ou presencial. A empresa também tem forte atuação no segmento B2B e busca a valorização dos profissionais do setor, com soluções voltadas a médicos veterinários e petshops, empreendedores e pet sitters, fortalecendo todo o ecossistema pet por meio das plataformas de conteúdos técnicos e auxílio ao médico veterinário e de gestão de negócios com as marcas Vet Smart e Vetus, respectivamente.




Por Lais Colombini  - Loures Consultoria 


A Nova revista está sendo preparada. Aguardem!!!


Dia do Médico Veterinário: levantamento conclui que falta valorização da profissão no Brasil

Foto: Reprodução/Pixabay


De acordo com a pesquisa Radar Vet, realizada pela Comac/Sindan, quatro em cada dez profissionais da área afirmam que a falta de reconhecimento é a principal dificuldade na carreira


Em 9 de setembro de 1993 foi regulamentada a profissão de médico veterinário, transformando a data no dia oficial em comemoração à profissão. Desde então, a atividade profissional vem ganhando mais relevância, principalmente com o aumento da população pet e uma maior ligação entre tutores e animais. Buscando entender o perfil do veterinário brasileiro, a Comissão de Animais de Companhia (Comac) do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) realiza regularmente a pesquisa Radar Vet, entrevistando profissionais de todas as regiões do Brasil.

 

O estudo mais recente entrevistou 732 profissionais e constatou que a falta de valorização profissional é hoje a principal dificuldade na carreira - um sentimento reportado por 40% dos respondentes. Além disso, a limitação financeira para o cuidado com seus pets dos tutores é outro desafio para o desempenho dos veterinários, o que se reflete em uma série de decisões e recomendações do profissional.

 

O Radar Vet é o mais completo estudo sobre a profissão no Brasil, apresentando um panorama fiel da profissão no País. De acordo com o levantamento, a principal especialização é a de clínica médica, cirúrgica e preventiva, com 42% do total dos profissionais. Em segundo e terceiro lugar, ficam, respectivamente, cirurgia com 12% e medicina de felinos com 9%. Dermatologia e Anestesiologia empataram com 6%.

 

Já a idade média dos profissionais é de 37 anos e as atividades que mais se destacaram foram de funcionários em clínicas veterinárias (38%) e de donos de clínicas (33%). Outros 22% atuam como autônomos e 4% se identificam como autônomo com contrato de prestação de serviços. No que diz respeito às atividades executadas, o atendimento clínico/cirúrgico é realizado por quase todos os entrevistados. Compras e gestão são tarefas assumidas pelos donos dos estabelecimentos em 70% e 75% dos casos, respectivamente.

 

Aplicativos como VetSmart, além de cursos online e os webinar foram apontados pelos respondentes como as principais formas de atualização profissional nos dias de hoje. Por outro lado, os livros, congressos e revistas técnicas do segmento pet apresentam queda em relação a 2018.

 

“O Sindan quer ser um parceiro desses profissionais, tanto no desenvolvimento de medicamentos inovadores para o tratamento dos animais quanto na geração de informações e inteligência de mercado. Queremos interagir com os principais players desse segmento no sentido de fortalecer e desenvolver a cada dia mais o mercado pet brasileiro”, afirma Andrea Castro, coordenadora da Comac.

 


*Fundado em 1966, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) congrega 91 empresas responsáveis por cerca de 90% do mercado brasileiro de medicamentos veterinários. Entre as suas atribuições, estão a representação legal das indústrias de saúde animal perante os órgãos oficiais, a produção de estudos, coordenação de campanhas sanitárias e educativas, além da comunicação e defesa da reputação do setor. Saiba mais no site ofical do Sindan.
 

*A COMAC (Comissão de Animais de Companhia) foi criada em 2007 e trata dos interesses de um dos mais importantes e crescentes segmentos da indústria veterinária brasileira e mundial, o mercado de cães e gatos.

A instituição surgiu com a necessidade de cuidar do mercado de animais de companhia e, por meio da interação com os principais players desse mercado, a COMAC executa ações que estimulam o desenvolvimento do mercado pet brasileiro, principalmente das áreas ligadas à saúde animal.



Por Carlos Vinicius Amorim  - Fundamento RP 



Tudo sobre eventos pet

Agenda - Congressos -Exposições - Feiras - Campeonatos - Seminários



Aluna da UniSul leva cachorro para formatura

 

(Imagem: Isabela Imulia Yamamoto e seu cachorro na formatura da UniSul - Campus Tubarão)

Vídeo que registra o momento viralizou e registra mais de 8 milhões de visualizações nas redes sociais


Presente há 8 anos na vida da estudante Isabela Imulia Yamamoto, o cãozinho Nikko não poderia faltar na formatura da estudante do curso de Medicina Veterinária na UniSul - Campus Tubarão, integrante do Ecossistema Ânima. O cão, da raça border collie, compareceu ao evento com um visual digno de festa e fez sucesso nas redes sociais da recém-formada. Em menos de uma semana, o vídeo que registra o momento já alcançou mais de 8 milhões de visualizações nas redes sociais.

 

Isabela, natural de Minas Gerais, mora atualmente em Tubarão (SC) e conta que a decisão de cursar Medicina Veterinária foi baseada em sua relação com Nikko, que é seu cachorro mais velho e a acompanha desde quando a estudante ainda morava em sua terra natal. Por trabalhar com adestramento, Isabela tinha certeza de que seu cachorro se comportaria durante o evento, já que ele é treinado desde o início da vida. Ao apresentar a ideia para a UniSul, que avaliou o bom comportamento de Nikko, a instituição aceitou a presença do pet durante a cerimônia.

 

“Nikko esteve comigo em todos os momentos, é meu fiel companheiro. A presença dele na minha formatura foi mais do que especial, já que ele foi o principal motivo para eu me tornar médica veterinária”, destaca Isabela. “Um pouco antes do evento, levei Nikko ao espaço e o ambientei com as técnicas de adestramento. Como ele estava tranquilo, meu melhor amigo passou a cerimônia toda ao meu lado, desde a subida ao palco, até a entrega do canudo”, finaliza.



*Com 57 anos de história, a UniSul, integrante do Ecossistema Ânima Educação desde 2021, conta com campi localizados em: Araranguá, Balneário Camboriú, Braço do Norte, Criciúma, Florianópolis - Centro, Florianópolis - Continente, Florianópolis - Ilha, Içara, Itajaí, Pedra Branca e Tubarão. A instituição tem seus cursos consagrados entre os melhores do Sul do Brasil, e também uma das marcas empresariais mais lembradas da região, obteve conceito máximo (5) na avaliação do Ministério da Educação (MEC). A universidade é a mais premiada pela ADVB catarinense - Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil. Tem em seu portfólio 70 cursos de graduação, 60 de nível especialização, além de cinco cursos de Mestrado, nas seguintes áreas: Administração, Educação, Ciências Ambientais, Ciências da Saúde e Ciências da Linguagem, e quatro programas de Doutorado organizados pelas áreas de Administração, Educação, Ciências da Saúde e Ciências da Linguagem. A instituição possui a tradição de universidade empreendedora e participativa no próprio desenvolvimento de Santa Catarina -- foi a primeira universidade de ensino superior a participar do planejamento pioneiro do estado em 1973.



Por Mylena Zintl




Tudo sobre eventos pet

Agenda - Congressos -Exposições - Feiras - Campeonatos - Seminários


 

Tudo sobre os curiós: Curiosidades sobre uma das espécies mais admiradas do Brasil e do mundo

 

Foto: Horizonte Pet Store - Curió



Os curiós são pássaros populares por seu canto muito próprio, bonito e melódico. É uma ave da família Thraupidae e, apesar do nome científico sporophila angolensis sugerir origem na Angola, o curió é uma espécie do nosso território sul-americano, e pode ser encontrado desde a Venezuela até o sul do Brasil. Em tupi-guarani, o nome curió significa “amigo do homem”.


Eles têm um bico robusto e forte, os machos possuem plumagem escura e peito marrom avermelhado, já as fêmeas e os jovens possuem a plumagem marrom mais clara. Quando adultos, podem chegar a 15cm de altura e pesar de 11 a 15 gramas.


Os curiós gostam de ambientes úmidos e matas baixas. Seu hábitat preferido são as vegetações gramíneas, próximas aos rios, lagos, brejos, pântanos, pastos alagados e veredas. Por isso, aqui no Brasil, são raros em ambientes mais secos, como sertões, caatinga ou pampas.


As aves adultas adoram comer sementes de vários tipos de capim e o seu bico forte permite quebrar sementes mais, duras que seriam difíceis para outros pássaros. Já os filhotes comem muitos insetos, para adquirir proteínas necessários ao desenvolvimento. Com essa força, podem viver até 10 anos na natureza, ou mais de 20 anos se criados em cativeiro com o devido cuidado.


O canto do curió é o seu tesouro. Assim como para outras aves, é um fator importante de sobrevivência. Eles cantam para atrair a fêmea em fase de reprodução e para marcar o território, espantando outros machos. As fêmeas também cantam, mas um canto mais baixo. Esse comportamento mostra o quanto os curiós são territorialistas e, por isso, vivem geralmente sozinhos ou em casais, sendo mais raro observá-los em bando.


Campeonato de Canto dos Curiós

O canto é tão especial para o curió que ele começa a ser aprendido desde os 40 dias de idade. Eles aprendem imitando, então precisam estar próximos de um macho adulto ou o criador pode utilizar áudios que estimulem o canto durante o desenvolvimento, e afastado de outros pássaros, para que não copiem cantos “errados”.


De acordo com a região do Brasil onde vivem, eles cantam diferentes. Sim, os curiós também têm “sotaque”! Se gravarmos o canto de uma ave em Minas Gerais ou no Pará, ouviremos as variações. Também existem vários tipos de dialetos de curiós, que são variações nas notas da melodia (Praia Grande, Paracambi, Timbira, Goiana, etc).


Nas competições de canto, o que vale é a melodia. É diferente das competições de fibra, que consideram a duração e resistência do pássaro cantor. As aves participantes das competições precisam usar as anilhas, que é tipo uma tornozeleira com um número de identificação colocado na ave ainda filhote. Também é uma forma de certificar a legalidade dos curiós.


Manejo de Curiós

Pesquisas recentes apontam um crescimento no comportamento do brasileiro em relação aos pets de estimação. Hoje, o Brasil possui a segunda maior população de cães, gatos e aves canoras e ornamentais em todo o mundo, e é o terceiro maior país em população total de animais de estimação, esses dados foram divulgados pela Associação Brasileira de Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet).

Ainda de acordo com a Associação, as aves assumem o segundo lugar como os pets mais queridos pelos humanos, ficando atrás apenas dos cães (54,2 milhões) e na frente dos gatos (23,9 milhões). O Brasil possui em média 39,8 milhões de aves de estimação.


Pensando nessa grande quantidade de pets, em especial, aves Curiós, reunimos aqui algumas dicas respondendo as dúvidas que mais recebemos pelas redes sociais:


Experiência em criação de Curiós

Somos criadores de Curiós há mais de 20 anos. Já criamos muitos filhotes, que se destacaram na linhagem canto praia grande clássico, dentre eles podemos citar o Curió Haley, que até pouco tempo estava com o grande craque de futebol, Rivelino. Temos um grande plantel de galadores, fêmeas de genéticas já consagradas. Acima de tudo, tratamos os pássaros com muito carinho e dedicação!


Quanto custa e como adquirir um Curió?

Primeiramente, um Curió deve ser adquirido de criadores devidamente homologado pelo IBAMA, com a devida nota fiscal. Os valores de um Curió dependem para qual finalidade ele vai ser treinado, ou seja, canto ou fibra. Seus valores variam de 500,00 a 100.000,00, dependendo de seu desempenho nos torneios e competições.


Existe comida para esquentar Curiós?

Sim. Comidas com alto valor energético e proteico estimulam um melhor condicionamento e disposição para as aves. Não é fórmula mágica, mas contribuem nutricionalmente para uma maior vitalidade das aves.


Dicas de criação e manejo

Criar Curió é uma arte, requer muita observação, seleção das fêmeas e galadores. Um dos pontos mais importantes para uma boa criação e manejo é fornecer uma boa alimentação e manter a limpeza e higienização do ambiente e gaiolas.


Criação em viveiros ou gaiolas?

Essa é uma dúvida muito comum entre os ‘amantes de curiós’. Realizamos a criação de Curiós em gaiolas, assim como a maioria dos criadores, mas é importante falar que novos manejos foram desenvolvidos atualmente. Um Curió gala até quatro fêmeas no dia, as fêmeas são colocadas individualmente nas gaiolas criadeiras, e treinamos os galadores a fazer o cruzamento com a fêmea que está pronta e voltar para sua gaiola. Utilizamos os viveiros para colocar as fêmea e filhotes no final da criação, assim fazem a muda de penas juntas, facilitando o tratamento para a próxima temporada.


O que o Curió tem de diferente em peculiaridades e beleza?

O Curió é uma ave que tem aproximadamente 10 a 15 cm, seu bico é preto, sua alimentação à base de sementes, plumagem muito brilhante, e uma melodia de canto muito linda.


Qual a diferença do canto Praia Clássico e Paracambi?

A diferença básica é a forma de andamento do canto, mas os dois cantos apresentam melodias iguais.


Quantos anos vive um Curió?

Um Curió em cativeiro, bem cuidado, pode viver até 30 anos. Na natureza, seu tempo de vida gira em torno de 9 a 10 anos.


Como saber se o Curió pardo é macho ou fêmea?

Existem algumas características que podem diferenciar o Curió pardo macho da fêmea, mas a forma mais confiável é através da sexagem, que é realizado em laboratórios especializados.


Algumas dicas para criar um filhote de Curió

Para criar um filhote, temos que propiciar boas condições de ambiente, alimentação e iluminação, evitar correntes de vento, e colocá-lo em contato com o sol da manhã constantemente, por um curto período.


Curió come banana?

Dificilmente um criador oferece banana ao Curió, mas se comer, não vai fazer mal.


Curió come maçã?

Sim, pode oferecer a maçã, mas retire as cascas e sementes.


Curió come pepino?

Sim, principalmente o pepino japonês, que é muito rico em proteínas, carboidratos, fibras e fonte de vitaminas b1, b2 e b6.


Curió come tenébrio?

Sim, desde que fornecido com frequência! No início, pode acontecer de não pegarem, principalmente quando é fornecido vivo e inteiro. Fazemos um trabalho de inicialmente oferecer em pequenos pedaços, facilitando a adaptação.


Curió com respiração ofegante, o que fazer?

Geralmente esses sintomas respiratórios, podem ser em virtude de várias causas: poeira, friagem, mudanças de clima ou corrente de vento. Quando a ave se encontra com distúrbios respiratórios, colocamos em um ambiente aquecido, para que consuma muita água, evitando a desidratação. Também gostamos de oferecer o Tylan ou Pulmotil.


Como amansar um Curió pardo?

Normalmente, colocamos o Curió na gaiola encapada, essa capa possui janela e dois zíperes para abertura. Fazemos um trabalho de abertura da frente da capa, para que a ave comece a ver e se acostumar com a movimentação do ambiente externo. Vamos aos poucos, fazendo com que a ave adquira a confiança e segurança necessária. A partir dessa fase, levamos para passear, em vários lugares diferentes, com grande movimentação de pessoas.


Como treinar um Curió para canto?

Em torneios, temos que condicionar o Curió a cantar nos 5 minutos de sua apresentação, por isso o trabalho é difícil. Geralmente trabalhamos o Curió de canto sempre com uma capa, passeamos muito com ele, puxando em vários lugares, abertos, fechados, campos, salas, para que se acostume com todos os ambientes. O treinamento consiste em levar uma estaca, retiramos a capa da gaiola, e penduramos os 5 minutos, independente do Curió cantar ou não, deixamos o tempo total, até que se acostume a só cantar quando a capa é retirada e pendurado na estaca. Esse treinamento é feito diariamente, até que o Curió comece a cantar exatamente quando penduramos.


Saiba mais sobre o Pássaro Curió e Como Aprontar Fêmea de Curió em nosso blog.


Siga Horizonte Pet Store pelas redes sociais

Instagram: @horizontepetstore

Twitter: horizontepet

Facebook.com/horizontepetstore/

Site: www.horizontepetstore.com.br


Por Horizonte Pet Store



👉EMPREENDA AGORA NO MERCADO PET👈