Estudantes se mobilizam em campanha para auxiliar nos custos de animais resgatados de abandono e maus tratos

De janeiro deste ano até abril, foram recolhidos 50 kg de tampinhas

Projeto é viabilizado em parceria com a ONG Proteção Animal Resgate e cerca de 24 estudantes do 3º ano, do Ensino Fundamental 1



Para desenvolver a responsabilidade social e trabalhar a conscientização com relação à sustentabilidade ambiental e à defesa de animais abandonados, o Colégio Santa Marcelina de São Paulo lançou o projeto "Tampinhas Solidárias", idealizado por cerca de 24 estudantes do 3º ano A, do Ensino Fundamental Anos Iniciais, em parceria com a ONG Proteção Animal Resgate, liderada por Luiz Scalea, mentor e responsável pelo resgate de animais abandonados. 

 

Até abril de 2024, foram recolhidos 50 kg de tampinhas plásticas. Segundo a professora do Colégio Santa Marcelina de São Paulo, Priscilla Macedo da Costa, os estudantes são os grandes responsáveis por mobilizar toda a comunidade, desde familiares, equipe, vizinhos e parentes, para a arrecadação dos itens, que são enviados ao Luiz Scalea, responsável por vender os materiais às indústrias. “Desta forma, com os recursos financeiros obtidos, é possível providenciar a castração dos animais, que, em seguida, são encaminhados para a adoção”, afirma.

 

De acordo com Priscilla, além de ajudar o meio ambiente e incentivar a castração, a iniciativa também contribui para reduzir a ingestão de plástico pelos animais, que muitas vezes acabam morrendo por esse motivo.


 

A idealização do projeto

 

Priscilla relembra que o projeto se iniciou em 2023 com a turma do 2º ano e foi retomado no ano de 2024 com a turma do 3º ano. “Os estudantes são os principais protagonistas do projeto, desempenhando uma participação social ativa na campanha e se envolvendo em todas as etapas, desde a criação do projeto, a pesquisa sobre a problemática e apresentação de dados, até a arrecadação e entrega efetiva das tampinhas”, comenta.

 

A docente explica, ainda, que a iniciativa estimula a formação de valores humanos nas crianças, além de trabalhar habilidades em diversas disciplinas. “Nas aulas de Artes, por exemplo, os estudantes elaboraram uma mascote e cartazes de divulgação. Já em  tecnologia, trabalharam toda a parte de divulgação do projeto nas redes sociais e em Ciências fomentaram a importância da castração”, finaliza Priscilla. 


O Instituto Internacional das Irmãs de Santa Marcelina foi fundado em 1838 por Monsenhor Luigi Biraghi, com o auxílio de Marina Videmari, em Milão, na Itália. Dedicada à educação, à saúde e à assistência social, a Congregação difundiu-se globalmente a partir da instituição de colégios, hospitais e obras sociais. 

Atualmente, presente em 8 países, espalhados por 3 continentes, e em 17 municípios e 9 estados brasileiros, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Tocantins, o Instituto segue com a missão de levar adiante, com empenho e entusiasmo, a educação, a formação, a cura e a construção do ser humano íntegro e da sociedade. Tudo isso alinhado a uma metodologia inovadora de aprendizagem, que, por sua vez, está alinhada às principais tendências do mercado educacional.


Por Igor Lima - EPR Comunicação

Confira os cuidados adequados com os pets no inverno


 Veterinária explica o que fazer com os amigos de quatro patas durante essa época do ano



Com a chegada do inverno, é essencial que os tutores de animais de estimação redobrem os cuidados para garantir o bem-estar de seus pets. As baixas temperaturas podem trazer uma série de desafios para cães, gatos e outros animais domésticos, tornando fundamental a adoção de medidas preventivas.
 

Assim como os humanos, os animais também sentem frio e podem ser afetados negativamente pelas baixas temperaturas. “Para protegê-los, recomenda-se garantir que os animais tenham um local quente e protegido para dormir, com camas forradas com mantas e cobertores. Para animais de pelo curto ou para aqueles que são mais sensíveis ao frio, como filhotes e idosos, roupinhas podem ser uma excelente opção para manter o calor corporal. Sempre que possível, mantenha os pets dentro de casa, especialmente durante a noite e nas manhãs mais frias”, explica Dorie Zattoni, Médica Veterinária e Supervisora técnica-comercial da Brazilian Pet Foods, empresa de alimentos para cães e gatos
 

A nutrição adequada é fundamental para que os animais mantenham uma boa saúde no inverno. É importante consultar um veterinário para verificar se há necessidade de ajustar a alimentação do seu pet durante o inverno, já que alguns animais podem precisar de um incremento calórico para manter a temperatura corporal. Além disso, mesmo no inverno, é crucial que os animais tenham acesso a água fresca. Verifique se a água não está muito fria ou congelada.
 

Apesar do frio, os pets ainda precisam de exercícios e atividades para se manterem saudáveis. Em dias muito frios, substitua os passeios ao ar livre por brincadeiras dentro de casa, garantindo que os pets se mantenham ativos. Nos dias menos frios, leve seu animal para passeios mais curtos e em horários mais quentes do dia, evitando as primeiras horas da manhã e o final da tarde.
 

“A saúde dos pets pode ser mais vulnerável no inverno, por isso é importante realizar check-ups regulares para garantir que seu pet está saudável e sem problemas respiratórios ou articulares, que podem piorar com o frio. Mantenha a vacinação e a vermifugação em dia para prevenir doenças que podem ser mais comuns durante o inverno”, complementa a médica veterinária.
 

Animais idosos e filhotes requerem cuidados ainda mais específicos durante o inverno. Animais mais velhos podem sofrer mais com problemas articulares e doenças respiratórias, enquanto filhotes são mais suscetíveis ao frio por ainda estarem em fase de desenvolvimento.
 

Por fim, Dorie afirma que adotando essas práticas, os tutores poderão proporcionar um inverno confortável e seguro para seus pets, garantindo saúde e bem-estar durante toda a estação. Para mais informações e orientações específicas, consulte sempre um veterinário de confiança.
 


Brazilian Pet Foods - Como uma das maiores fábricas de alimentos do país, a Brazilian Pet Foods em suas 3 décadas de história, já realizou feitos que marcaram sua jornada. Desde seu início em 1992, foi estabelecido o princípio que norteia todas as atitudes e escolhas que levaram a empresa a se tornar referência no mercado de alimentos pet. Princípio que já colocou a Brazilian entre as maiores do ramo. Princípio que faz a empresa crescer ano após ano, estruturalmente e tecnologicamente. Princípio este, que a colocou no ranking da Nielsen como uma das líderes do mercado do sul, e com expansão em todo o país, desde o supermercado da sua cidade até o petshop da sua rua, além do seu trabalho online que cresce junto com a vontade de fazer mais pelos pets. Por isso, a Brazilian Pet Foods evolui sem perder sua essência e seu princípio: Alimentar o prazeroso elo entre você e o seu animal.



Por Giovanna Rebelo Alves - MEG Press

Unindo tecnologia e IA, projeto transforma reações de cães em previsão contra terremotos

Serviceplan - Animal Alerts

Iniciativa liderada pela empresa PetPace, especializada em monitoramento de saúde animal, já está em ação no Peru, área mais tectonicamente ativa do mundo 


Em uma iniciativa inovadora lançada na América Latina, a colaboração de especialistas nos setores de cuidados com animais, tecnologia, ciência e mídia chegou em uma nova solução para alertas precoces de terremotos e segurança pública. Intitulado “Animal Alerts”, o projeto traz o primeiro sistema de alerta de terremotos com base no comportamento de cães – que tem uma sensibilidade apurada para esse tipo de acontecimento natural.


Lançada pela empresa PetPace, uma das líderes do setor em monitoramento de saúde animal no mundo, a ação tem início em Lima, no Peru, zona sísmica devido à sua localização ao longo do Círculo de Fogo do Pacífico – reconhecida como a área mais tectonicamente ativa do mundo. Por meio de uma coleira inteligente, dados de saúde de diferentes cães estão sendo coletados e analisados em tempo real para correlação com terremotos, possibilitando assim o desenvolvimento de um sistema que alerte os moradores de forma prévia em diferentes canais de mídia.


“Muitos estudos sistemáticos demonstram que os animais geralmente se comportam de maneira diferente antes dos terremotos”, destaca a Dra. Rachel Grant, ecologista comportamental e professora sênior da London South Bank University. Segundo ela, os cães são modelos particularmente úteis desse fenômeno devido aos seus sentidos aguçados e a proximidade com os humanos. “Com o uso da tecnologia e inteligência artificial, o Animal Alerts nos permite, pela primeira vez, coletar dados fisiológicos reproduzíveis em tempo real, o que pode ajudar na previsão de risco de terremotos de curto prazo”, completa.


Combinando natureza e tecnologia

Projetada para garantir conforto aos animais de estimação, a coleira inteligente PetPace coleta informações vitais de saúde por meio de seus sensores não invasivos e sem eletrodos. Dados como pulso, temperatura e respiração são registrados em tempo real e, com base em parâmetros e algoritmos de IA desenvolvidos pela equipe científica da empresa, o nível de estresse do cão é determinado. Quando vários cães em vários locais de Lima mostram um aumento anômalo no nível de estresse ao mesmo tempo, isso pode ser uma indicação de um terremoto iminente.


“Há uma necessidade urgente de abordagens inovadoras para alertar o público antes de um terremoto, especialmente porque a infraestrutura de Lima é extremamente vulnerável à atividade sísmica. Assim, um aviso prévio e oportuno da Animal Alerts pode ajudar a salvar inúmeras vidas”, pontua Carlos Guardia Brown, especialista em gerenciamento de risco de desastres da Techo Peru.





“A PetPace está focada em monitorar continuamente os dados fisiológicos e comportamentais dos cães para garantir seu bem-estar. Os mesmos dados podem ser aproveitados com o objetivo de proteger as comunidades.” complementa o Dr. Asaf Dagan, cientista-chefe e cofundador da PetPace.



Potencialização através da mídia

Para um alerta eficaz de terremoto, o Animal Alerts fechou parcerias com players como Mediaplus Group e Reset Media para a transmissão desses alertas por meio de mensagens geolocalizadas em outdoors digitais, web, celular e rádio. Com o apoio de vários especialistas em nutrição animal em Lima, ações no varejo também convocam mais voluntários para participar do programa, indicando o portal animal-alerts.org para mais informações e como participar.


A criação do projeto foi realizada em parceria com o Serviceplan Group, uma das principais redes de agências independentes do mundo, sediada em Munique (Alemanha), e também com a L&C, agência com escritórios em Lima e Nova York. Entre outros parceiros estão players como Eat, Sleep + Design e Astral Kreativ.


“Esta iniciativa não apenas mostra um uso inovador da tecnologia, mas também enfatiza a profunda conexão entre humanos e seus animais de estimação, alavancando esse vínculo para proteger a comunidade”, comenta Alex Schill, diretor de criação do Serviceplan Group. “Para quem cresceu em um país como o Peru, onde a atividade sísmica é constante, essa ideia se torna uma ferramenta realmente valiosa”, acrescenta Rolando Cordova, diretor de criação da L&C.


Segue um vídeo ilustrativo. 



Por Gislaine Branquinho - Tulom Comunicação


Participação na Interzoo fortalece a imagem da aquariofilia brasileira como referência no mundo

De 7 a 10 de maio, exportadores brasileiros de peixes ornamentais estiveram em contato com público de 37 mil pessoas em Nuremberg, na Alemanha



O Projeto Aqua Brasil, uma parceria entre o Ministério da Pesca e Aquicultura e a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, avalia como positiva a participação na Interzoo, feira do mercado pet que aconteceu em Nuremberg, na Alemanha. O evento aconteceu de 7 a 10 de maio.


“A maior parte de nossos participantes consideraram os contatos estabelecidos como ótimos ou bons. O formato e estratégia de participação no evento foram avaliados de maneira positiva por todas as empresas participantes do Aqua Brasil”, explica Leopoldo Barreto, gerente do projeto. “Além disso, observamos que a imagem do Brasil e das empresas brasileiras é muito positiva no exterior. Com certeza este é um primeiro passo promissor para o projeto, tanto para o mercado interno quanto para o exterior. A ideia é que possamos participar da próxima edição em 2026".


A expectativa é que os contatos realizados durante o evento possam impactar positivamente em cerca de 35% do faturamento anual dos participantes.


A opinião dos expositores do projeto Aqua Brasil vai ao encontro da avaliação geral da feira, feita pelos organizadores da Interzoo. De acordo com o balanço do evento, aproximadamente 37 mil visitantes profissionais de 140 países participaram do encontro, 32% mais do que a edição de 2022. Cerca de 2.150 expositores de 68 países apresentaram os mais recentes produtos e serviços para cães, gatos, peixes, pequenos mamíferos, entre outros.


“Estamos certos de que este é o rumo para aumentarmos em 6% os valores exportados. Agora vamos dar continuidade às ações de mapeamento de potencialidades, treinamento, branding setorial, classificação de maturidade exportadora”, prossegue o Secretário Nacional de Pesca Industrial, Amadora e Esportiva, Expedito Netto.


Em 2022, o mercado de peixes ornamentais no Brasil testemunhou um crescimento significativo no número de animais adquiridos pelas famílias. São atualmente, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado Euromonitor, cerca de 22,2 milhões de peixes ornamentais comercializados, aumento de 4% em comparação aos números de 2021. Além disso, o Brasil é hoje o 3º maior do mundo quando o assunto é população pet, com 170 milhões de cães, gatos, pássaros, peixes ornamentais, entre outros.


Números Brasil:


 O segmento de aquariofilia ocupa hoje a 4ª posição entre os pets brasileiros, com 22,2 milhões de unidades comercializadas no ano de 2022;

 Isso representa um crescimento de 4% em comparação com o ano anterior (2021).

 Em relação à taxa de crescimento, o segmento pet mundial no ano de 2022 cresceu 3,2% e movimentou cerca de US$ 150 bilhões, colocando o Brasil na 3ª posição do ranking internacional em matéria de faturamento também (para além do número de animais).

 No quesito exportação geral do mercado pet, os números também são animadores: no período de janeiro a dezembro de 2022 o valor total exportado foi superior ao mesmo período do ano de 2021 em cerca de 4%, chegando a US$ 435 milhões.


O Projeto Aqua Brasil levou à Interzoo 2024 as seguintes empresas:


H&K Peixes Ornamentais

Localizada em Fortaleza (CE), é uma empresa do Nordeste brasileiro especializada na exportação de peixes ornamentais desde 1995. Possui estrutura com tanques, equipamentos de filtragem e moderna quarentena credenciada pelo serviço veterinário oficial do Brasil.


Luteus Aquarium

Localizada na região Sul do Brasil, iniciou atividade há três anos, conquistando clientes por todo o globo. Está localizada em Florianópolis (SC), próximo aos pontos de captura do rio Uruguai e Paraná, e tem como capacidade de manutenção mais de 2 mil animais, distribuídos em 500 m2 de área total.


S. Takemura Aquarium

Localizada na região Norte, na cidade de Ananindeua (PA), é exportadora de peixes ornamentais desde 1998. Possui instalações com 1.100 m² e capacidade de manter mais de 50 mil animais em aquários e tanques.


Ipiranga Peixes Ornamentais

Localizada no Sudeste, em São Paulo, capital, desde 2001 tem se dedicado à importação de peixes e corais para o mercado nacional. Com 23 anos de experiência e em resposta à crescente demanda, estamos agora iniciando uma nova fase com exportações.


Sobre o Projeto Aqua Brasil

O Projeto Aqua Brasil tem como missão orientar empresas do setor de peixes ornamentais que queiram exportar, sejam elas iniciantes, já exportadoras ou internacionalizadas. Também apoia as companhias no processo de divulgação no mercado internacional, promovendo o segmento brasileiro e a qualidade característica do mercado. O Aqua Brasil foi concebido para atender empresas de aquicultores, pescadores e empresas pesqueiras de organismos aquáticos ornamentais, com ênfase em agriculturas familiares e entrepostos de pescadores. 



Por Larissa Hatamia - Betini Comunicação






Blindog: Inovação a serviço da segurança e autonomia canina

 

Doguinho com Blindog

O brasileiro é apaixonado por cachorro e isso ninguém pode negar: são 54,2 milhões de cães vivendo em lares, segundo censo do IPB (Instituto Pet Brasil). E com isso, os cuidados com a saúde e bem-estar deles têm um papel primordial para a qualidade de vida desses membros tão amados, e é aí que entra a Blindog, startup que desenvolveu um dispositivo inteligente para cães com deficiência visual. 


Criada em 2015, a empresa, que é a única do mundo a resolver o problema da cegueira canina através de tecnologia, nasceu de uma dor pessoal das sócias Luana Wandecy e Natália Dantas: as duas tinham cães cegos e não encontravam solução que devolvesse autonomia para seus pets, e foi aí que surgiu a ideia do produto. 

Luana Wandecy, CEO da Blindog, por PC Pereira



“À medida que minha cachorrinha, Princesa, envelhecia, ela estava perdendo sua visão e com isso, começou a se machucar frequentemente, colidindo com paredes e móveis. Eu e minha família procuramos e não encontramos nada que a permitisse andar sem se machucar. E foi durante o Startup Weekend Natal, ao compartilhar esse problema com  Natália, que também tinha um cãozinho poodle cego chamado Sherlock, que surgiu a ideia de criar uma solução para a cegueira canina, a Blindog. De lá para cá vendemos mais de 3000 dispositivos no Brasil, Portugal, Espanha, Estados Unidos, Canadá e Holanda”, conta Luana Wandecy, cofundadora. A jovem é uma das Innovators Under 35 da MIT Business Review, que elegeu as mentes mais inovadoras do país. Além disso, a pet tech ganhou o prêmio de startup revelação de 2023, no Case Startups, maior premiação do setor de inovação, realizada pela ABStartups.


Tecnologia a favor do bem-estar canino

O diferencial da Blindog está na tecnologia inovadora empregada em seus dispositivos, que é patenteada e conta com produção nacional. O dispositivo é leve, confortável e recarregável, proporcionando aos cães cegos uma forma eficaz de navegar pelo mundo. Através de estímulos vibratórios, os cães rapidamente aprendem a associar as vibrações a possíveis obstáculos, permitindo-lhes desviar com segurança. Com uma taxa de sucesso notável em apenas sete dias, o dispositivo proporciona uma nova rotina normal e independente aos pets, eliminando a necessidade de treinamento.


Sustentabilidade

Além de se preocupar com a saúde e bem-estar dos pets, a startup também está engajada no cuidado com o meio ambiente, e por isso, seus dispositivos são produzidos com materiais sustentáveis e recicláveis, reforçando seu compromisso com a natureza e o futuro.


Premiações

A Blindog impactou positivamente a vida de mais de 6000 animais no Brasil, Portugal, Espanha, Estados Unidos, Canadá, Peru, Alemanha, Inglaterra, Colômbia, Chile e Holanda, redefinindo sua independência e bem-estar. A startup foi honrada com prêmios e reconhecimentos, incluindo destaque no Programa de Aceleração Inovativa Brasil e vitórias no Sebrae Like a Boss, no StartupNE RN é startup revelação do ano em 2023 pelo Startup Awards, a maior premiação de startups do Brasil. Esses reconhecimentos destacam o comprometimento da Blindog em trazer mudanças tangíveis ao mundo dos pets.


Lançamentos

Olhando para o futuro, a Blindog está prestes a lançar dois novos produtos que atenderão cães e gatos de todas as necessidades, independentemente de deficiências. Essa expansão reflete a visão contínua da startup em oferecer soluções abrangentes e inovadoras para os animais de estimação.


Luana Wandecy, Blindog


A equipe da Blindog é composta por indivíduos apaixonados e altamente qualificados no campo. Liderando o time, Luana Wandecy, CEO e cofundadora, possui uma formação em engenharia de computação e mestrado em Inovação. Amanda Holanda, CMO, traz sua expertise em administração e publicidade. Enquanto Lindemberg Andrade, CTO, é um engenheiro de computação dedicado ao desenvolvimento dos softwares das soluções da startup.


Por Edson Junior - LaPresse Comunicação