Saúde Oral: alerta para fraturas dentárias em pets

 


Produtos com densidade inadequada representam risco à saúde bucal de animais domésticos

A empresa global de alimentos para animais de estimação, Mars Petcare, dona de marcas como PEDIGREE®, WHISKAS® e OPTIMUM™ se uniu à Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, no último ano, para conduzir uma série estudos que demonstrassem cientificamente os efeitos da densidade de brinquedos e petiscos na saúde oral de cães. A pesquisa também busca estabelecer padrões de segurança para densidade de produtos, agindo de maneira preventiva frente ao risco de fraturas dentárias.

Especialistas veterinários reconhecem mordedores e petiscos como estímulo mental importante para cães. No entanto, ainda é possível encontrar produtos que não possuem textura e densidade adequadas, aumentando os riscos de lesão na região bucal. Fraturas dentárias estão entre os acidentes mais comuns e podem causar perda de apetite, dor e infecções generalizadas.

"A fratura dos dentes não é facilmente percebida sobretudo porque poucos tutores têm o hábito de realizar a escovação regularmente e com isso, quase nunca olham a boca do pet. Por ser um problema silencioso, a melhor estratégia é selecionar com cuidado produtos que não representem risco e ofereçam benefícios para saúde oral do cão.", comenta Marcello Roza, doutor em odontologia veterinária e sócio fundador e membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária.

O portfólio da marca de PEDIGREE®, foi desenvolvido minuciosamente pelo instituto Waltham, autoridade científica que realiza estudos sobre Nutrição e Bem-Estar Animal há mais de 50 anos e dedica-se a pesquisas focadas em saúde preventiva.

"A Mars Petcare gera conteúdo científico e busca constantes atualizações para trazer impacto positivo para a vida dos pets e suas famílias. Estamos comprometidos em compartilhar informações de qualidade e dar visibilidade às questões ligadas a saúde oral dos cães, incluindo a necessidade de adotar padrões de segurança para textura dos petiscos e alimentos", comenta Roberto Valdrighi, Gerente de Marketing da Mars Petcare no Brasil.

A Mars Petcare é o segmento focado em nutrição e bem-estar animal da Mars, uma empresa familiar, privada, com mais de 100 anos de história e dona de algumas das marcas mais amadas do mundo, como ROYAL CANIN®, PEDIGREE®, WHISKAS® e OPTIMUM™. Além de prover o mercado pet com produtos cuidadosamente desenvolvidos, a Mars Petcare também conta com projetos para combater o abandono animal globalmente, incentivando a adoção responsável e apoiando instituições que abrigam animais em situação de rua. Cerca de 85 mil colaboradores de Petcare, em mais de 80 países, trabalham em prol de Um Mundo Melhor para os Pets e estão reunidos sob os Cinco Princípios da Mars - Qualidade, Eficiência, Responsabilidade, Mutualidade e Liberdade -, em linha com o seu propósito de criar o mundo de amanhã através da forma como fazemos negócios hoje.

Informações: mars@jeffreygroup.com

Por Davi Vidal - JeffreyGroup Latin America Marketing


Leia também: 

Animais de Estimação na Quarentena: Alguns Cuidados Específicos



Siga a revista no Facebook e Instagram 

Com Concorrência em Alta, Pet Shops Precisam Oferecer Tosas Diferenciadas



Para se destacar no mercado, profissionais precisam ir além da tosa higiênica e oferecer soluções de estética animal


A indústria de produtos para animais de estimação cresceu significativamente nos últimos anos. Enquanto o faturamento era de R$3,3 bilhões em 2006, em 2019, esse valor saltou para R$22,3 bilhões. Acompanhando esse movimento, muitos empreendedores aproveitaram o bom momento para abrir um negócio no setor. Basta uma volta pelo bairro para perceber que existem inúmeras opções para atender aos pets da região. Nesse cenário, surge um novo e complexo desafio: como se destacar entre tantos concorrentes?


“Dependendo do bairro, um pet shop que abre oferecendo aquele banho e tosa básico vai ter bastante dificuldade de se manter”, acredita Natália Espinosa, groomer internacional e diretora da Uau Escola de Estética Animal, localizada em Sorocaba/SP. “Hoje, os clientes não buscam apenas manter o cachorro limpo, eles querem inovação, procuram por um estilo marcante. É o que chamamos de estética animal.”


Na corrida para oferecer um serviço diferenciado, donos e funcionários de pet shops têm procurado cursos e especializações. Quem ganha com isso são os tutores que encontram diversas opções para seus pets.

Conheça os diferentes tipos de serviços


Tosa higiênica

Tratamento básico oferecido por praticamente todos os pet shops, a tosa higiênica tem o foco em aparar os pelos de áreas específicas e dar acabamento. É um procedimento simples, mas sua importância, como o nome já diz, é manter a higiene e, consequentemente, a saúde.

“Algumas raças, em especial as de pelagem longa, têm muitos pelos embaixo das patinhas, fazendo com que o cão escorregue, aumentando o risco de problemas ortopédicos. Além disso, pelagem longa, em alguns locais, favorece o acúmulo de urina, fezes e até proliferação de fungos que acarretam em problemas dermatológicos. Pelinhos que não são escovados, ou aparados, próximo aos olhos, podem causar problemas oftalmológicos”, esclarece a groomer. “Essa tosa é tão importante que se tornou um serviço essencial para a saúde do animal”. 


Tosa tesoura

Uma prática que tem se popularizado nos últimos anos é a tosa feita com a tesoura. Em pelagens lisas, o procedimento é chamado de Tosa Bebê. Pode ser realizado em várias raças populares como Shih Tzu, Yorkshire Terrier, Spitz e Poodle. Diferentemente da máquina, que corta toda a pelagem por igual e geralmente mais curto, esta técnica exige mais habilidade do profissional e conhecimento, pois é necessário conhecer anatomia da raça e saber trabalhar com diferentes tipos de pelagem. Um profissional capacitado é capaz de realizar um trabalho de escultura do pelo, escondendo defeitos anatômicos e realçando as qualidades, sendo recomendado para cães com pelagem média a longa, ou que tenham alergia à tosa na máquina.

“Um profissional que oferece uma boa tosa de tesoura já consegue se diferenciar no mercado. Como é um trabalho mais demorado e delicado, é uma boa sugestão para quem busca aumentar o ticket médio do seu negócio”, orienta Natália.

Groomer internacional Natália Espinosa


Tosa Padrão de Raças

Algumas raças têm padrões de tosas específicos para enaltecer as principais características. No Brasil, esse serviço ficou conhecido como trimming (tosa em inglês). Geralmente essas tosas exigem diferentes técnicas dependendo da raça, utilizando um mix de tesoura, máquina e instrumentos de handstripping que é um processo de remoção de pelagem.

“Um trimming que faz muito sucesso é o padrão da raça Golden Retrivier”, explica Natália. “Quando bem realizado, o efeito naquele pelo dourado é bem marcante. Conseguimos destacar a musculatura, corrigir dorso e tirar as ondas. O cão fica esbelto e cai menos pelos na casa. Neste caso, a pelagem jamais poderá ser tosada com máquina, o correto é fazer a técnica de carding que é umas modalidades do handstripping.” 


Handstripping

É uma técnica não muito popular que pode ser realizada em cães de pelagem dura e Spaniels. O handstrinpping segue o padrão da raça, para que o cão fique com a pelagem conforme o modelo. Totalmente indolor, o procedimento visa a renovação da pelagem e é realizado com o uso das mãos e instrumentos específicos, como pedras e facas de stripping. Uma orientação é que o procedimento seja realizado desde filhote, desse modo, o resultado é mais interessante. Terrier Escocês, Schnauzer e Cocker Spaniel Inglês são exemplos de raças que podem fazer o handstripping. Uma das técnicas utilizadas comumente é a remoção de subpelo, feito em cães que estão na troca da pelagem ou com queda, como Pastores em geral, Goldens e cães nórdicos, como Samoieda e Akita. 


Tosa asiática

Já a tosa asiática ficou conhecida por dar um acabamento mais fofo ao pet, com orelha longa, topete e um laço em destaque. As patas também costumam ser cheias, em formato de cone, e a cauda longa. Nesse procedimento, o corpo é todo tosado na máquina com lâmina baixa, o focinho fica fofo, bem curtinho e arredondado. Costuma ser feita em raças de pelagem longa como Maltês, Yokshire Terrier, Lhasa Apso e Poodles. Porém, é importante ressaltar que essa tosa não tem um padrão específico. É um estilo livre que pode ser explorada de diversas formas, inclusive em algumas raças, como Schnauzer.

“Normalmente, a tosa asiática é recomendada para cães que o tutor não tem muito tempo para escovar, que gostam de usar roupinha, ou molham muito o bigode na hora de beber água”, esclarece Natália. 


Coloração da pelagem

Além da tosa, alguns tratamentos podem trazer uma aparência muito mais moderna e colorida para o pet da família. Uma das tendências são os serviços de coloração da pelagem. Nessa opção, é preciso ressaltar que as tintas utilizadas são específicas para o tratamento animal e não provocam reações. O resultado são animais coloridos, fofos e muito estilosos. São várias opções de tinturas, desde as canetas de glicerina, que duram até o próximo banho, além de tintas semipermanentes, dentre outras.

“Como profissionais de um mercado tão competitivo, nós precisamos sempre aprimorar as técnicas para oferecer o que há de mais novo no setor”, orienta Natália. “O consumidor já sabe diferenciar um bom profissional e o desenvolvimento de novas habilidades está cada vez mais importante”.

Por Murilo Vicentini | JF Gestão de Conteúdo   


               

Leia também:  

Com mercado em alta, setor pet vira opção de empreendedorismo e emprego



Siga a revista no Facebook e Instagram 

Dia Nacional do Animal: aumento nos casos de abandono alerta para guarda responsável de animais de estimação

 Mars Petcare reforça seu propósito e mostra benefícios de se ter um pet ao longo da vida

Na semana em que se comemora o Dia Nacional dos Animais(14/03), o Brasil depara-se com uma dura realidade: levantamento recente aponta aumento de 70% no abandono de animais domésticos que foram adotados durante a pandemia. A Ampara Animal realizou a pesquisa com 530 ONGs e protetores independentes em todo país e constatou o impacto para os pets com o agravamento da crise.


"A situação aponta para a importância da guarda responsável, incluindo a consciência sobre o compromisso não só financeiro, mas também emocional por um longo período. Por isso, é preciso avaliar todos esses aspectos na hora de adotar um pet, entendendo que ele não é sazonal", comenta Sheila Guebara, diretora de Assuntos Corporativos na Mars Petcare, líder global em alimentação para pets e dona de marcas como Pedigree, Whiskas e Optimum.


A empresa, que apoia as causas de adoção e guarda responsável, em conjunto com o Waltham, referência científica em pesquisas sobre Bem-Estar e Nutrição Animal, mostra os inúmeros benefícios de se ter um pet ao longo de todos os estágios da vida. Confira a seguir.


Clique aqui para acessar o infográfico com os resultados da pesquisa feita pelo instituto WALTHAM™.

A Mars Petcare é o segmento focado em nutrição e bem-estar animal da Mars, uma empresa familiar, privada, com mais de 100 anos de história e dona de algumas das marcas mais amadas do mundo, como ROYAL CANIN®, PEDIGREE®, WHISKAS® e OPTIMUM™.  
Informações: mars@jeffreygroup.com

Por Davi Vidal - JeffreyGroup Latin America Marketing


Leia também: 

Como Acostumar Seu Pet Para a Pós Pandemia


Siga a revista no Facebook e Instagram

Março Amarelo: doença renal crônica acomete de 20% a 50% dos gatos em idade avançada

 


Vanessa Zimbres, médica veterinária especializada em gatos, explica que a Doença Renal Crônica (DRC) é uma das doenças mais comuns que afetam os felinos; suporte e tratamento adequados podem aumentar a expectativa e a qualidade de vida dos peludos

No dia 12 de março é celebrado o Dia Mundial do Rim. A data, idealizada pela Sociedade Internacional de Nefrologia (ISN), visa conscientizar a população quanto aos riscos da Doença Renal Crônica (DRC). No entanto, a condição não afeta apenas os humanos, os animais de estimação estão – e muito – suscetíveis a desenvolver a doença ao longo da vida. Estima-se que entre 20% e 50% dos gatos, em idade avançada, são acometidos.

“A DRC nos gatos é uma condição bastante comum. Na maioria dos casos, é progressiva ao longo do tempo, causando um declínio gradual nas funções renais”, informa a médica veterinária Vanessa Zimbres, especializada em medicina felina e proprietária da clínica veterinária Gato é Gente Boa, a única do interior paulista a conquistar o selo Cat Friendly Practices Gold.

A veterinária explica que, embora as causas ainda sejam desconhecidas, sabe-se que a DRC ocorre quando há danos de longa data nos rins, causados pelo envelhecimento do animal, onde, em muitos casos, os sintomas clínicos, como perda de apetite e vômito frequente, são tardios.

Dra. Vanessa Zimbres


Visita ao veterinário

“O check-up periódico, a cada seis meses, por exemplo, é fundamental para identificar os primeiros sintomas da doença”, orienta Vanessa. De acordo com ela, a doença não tem cura, mas, se diagnosticada a tempo, é possível oferecer suporte e tratamento corretos que visam proporcionar a qualidade de vida dos peludos. “Os tutores devem ficar atentos a todo e qualquer comportamento de seus gatos. Aumento da frequência urinária, maior ingestão de água e perda significativa de peso já são sinais de alerta e que precisam de uma investigação médica”, alerta.

Por Acácia Paes | JF Gestão de Conteúdo









Leia também: VOCÊ SABE PORQUE OS GATOS SE LAMBEM TANTO?


Siga a revista no Facebook e Instagram

Fundação Renova é denunciada por maus-tratos aos animais atingidos pelo rompimento da barragem de Mariana

 


A Cáritas Regional Minas Gerais denunciou a Fundação Renova ao Ministério Público de Minas Gerais por problemas relacionados aos cuidados com os animais atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana. A denúncia foi construída com as comunidades por meio da assessoria técnica às atingidas e atingidos da Cáritas [acesse a denúncia neste link]. A Renova é acusada de descumprir uma série de acordos, principalmente no que diz respeito ao fornecimento de alimentação: o envio de comida insuficiente ou inadequada tem causado fome e até a morte de animais, configurando uma grave situação de maus-tratos. 


Após o rompimento da barragem de Mariana, foram assinados diversos acordos em que as mineradoras Samarco, Vale e BHP se responsabilizavam pelos cuidados aos animais atingidos. Um dos mais importantes diz respeito ao fornecimento de alimentação adequada, mas as famílias atingidas têm reportado problemas desde 2017. Elas relatam que os alimentos precisam ser buscados em grandes distâncias ou não são entregues no prazo. Muitas vezes, elas recebem quantidade insuficiente para os animais e não conseguem adquirir alimento extra na região em razão da escassez provocada pelo desastre e da queda na renda das famílias. “Agora a silagem tá vindo, mas sempre quando atrasa aqui, atrasa para todo mundo também”, destaca Marta de Jesus Peixoto, atingida de Paracatu de Cima que já enfrentou períodos sem receber a alimentação animal e, por vezes, recebeu trato estragado para os animais. 


A situação se agrava quando se trata das criações de cavalos que precisam comer feno, alimento que a Renova deixa faltar. No desespero, criadores submetem seus cavalos à substituição do feno por silagem (alimento fermentado prejudicial para o aparelho gastrointestinal de animais não-ruminantes), alimento não recomendado por gerar problemas nas articulações e prejuízo na locomoção dos animais. Mesmo com essa substituição, os animais ficam desnutridos, o que tem provocado abortos nas éguas.


Em novembro de 2020, os atingidos foram surpreendidos com a informação de que a Fundação Renova não forneceria mais o alimento. Ao invés disso, ela iria depositar o valor do auxílio emergencial da alimentação animal em conta. Quando a Renova queria dar o dinheiro, aí ficou muito tempo sem a silagem aqui”, afirma Marta. A Fundação recuou após forte crítica das famílias atingidas, que conseguiram um acordo junto ao Ministério Público para que a medida fosse aplicada apenas para quem quisesse. Na ocasião, ela também se comprometeu a não deixar faltar alimento para os animais. 


A promessa não foi cumprida: em 10 de dezembro de 2020, a Fundação Renova não entregou o alimento aos atingidos, alegando que não tinha contratos de fornecimento vigentes e que seria necessário cotação, contratação de fornecedor, entre outras ações que não foram feitas em tempo hábil. 



Outro problema diz respeito à infraestrutura dos terrenos em que muitas famílias foram alocadas “provisoriamente”. Os locais apresentam erosões, pastos subdimensionados, problemas com cercas e currais ou estão distantes de onde as criações foram alocadas. Em ambos os casos, a criação dos animais fica prejudica, assim como a geração de renda da família, agravando o endividamentos dos atingidos. Para a família de Marta, a falta de lugar  apropriado para a criação é um dos maiores problemas para o cuidado com a criação.Não tem lugar de guardar o trato porque a Renova não fez o curral pra nós ainda. A silagem tem que colocar no tempo e tampar com plástico. Eles argumentam que enquanto não fizer nossa casa não pode fazer nosso curral”, indigna-se a atingida (foto anexa).

 

A Renova ignora a relação entre as pessoas e seus animais. Um exemplo é o caso da família Cerceau, que se mudou de Paracatu de Baixo em 2019. No suporte para o transporte dos animais, a Fundação deixou cinco galinhas, uma pata que estava chocando e alguns pintinhos para trás. “Não voltaram para buscá-los, alguns pintinhos morreram no transporte e nunca perguntaram qual o valor dos animais que morreram e ficaram para trás”, relata Naife Cerceau. Apesar de solicitar, a família nunca recebeu a silagem, como consequência, os animais ficaram desnutridos e com baixa produção de leite. “O sítio que estamos hoje não tinha estrutura para alimentação e manuseio do gado, tivemos que improvisar e comprar o alimento do nosso bolso, estourando o orçamento familiar”, conclui a atingida. 

 


Animais que foram levados para uma fazenda em Barra Longa, sob responsabilidade da Fundação Renova, também estão em risco. Há relatos de atingidos que viram seus animais magros, sem aparo da crina, com casco desgastado e sem doma, o que os torna mais agressivos com o tempo. A dificuldade de convivência dos proprietários com suas criações ficou ainda mais complicada durante a pandemia da Covid-19. Essa situação é um fator de sofrimento para as pessoas, como Claudiano dos Santos, atingido de Bento Rodrigues, que recebeu uma foto de um dos seus cavalos com ferimentos no olho. Alguns dias depois, ele ficou cego. O atingido suspeita que isso tenha ocorrido pelo fato de esse equino estar no mesmo piquete com outro garanhão, ação não recomendada pois os bichos podem se machucar com coices. Claudiano não recebeu nenhuma explicação.


Por Juliana Afonso - Assessora de imprensa da Cáritas Regional Minas Gerais - Mais informações: (31) 9 8734-7999 - Fotos enviadas pela Cáritas Regional MG.

Mulheres Assumem o Comando e Mercado Pet Vira Opção para Empreendedorismo Feminino



Não precisa ser especialista em gestão de pessoas para perceber que o número de mulheres em cargos de liderança ainda é infinitamente menor quando comparado à presença masculina. Segundo um levantamento realizado pelo Instituto Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apenas 19% dos cargos de liderança são ocupados por profissionais do sexo feminino. Porém, um dos setores que tem apresentado um crescimento expressivo nos últimos anos tem como principal característica, o fato de contrariar essa lógica: o mercado pet.


Em 2020, 86,4% dos alunos matriculados na Uau Escola de Estética Animal eram mulheres


“Esse mercado exige algumas qualidades que podem trazer vantagens para as mulheres, como a sensibilidade, o aspecto emocional e, principalmente, o afeto”, lista Natália Espinosa, groomer internacional e diretora da Uau Escola de Estética Animal, localizada em Sorocaba/SP. “O mais importante é a relação de carinho com o cliente principal, que é o pet. Nesse quesito, normalmente, as mulheres têm mais facilidade”.



Como mulher e empreendedora, Natália viu de perto todos os desafios que envolvem o sucesso de uma profissional do sexo feminino. Para ela, o maior desafio ainda é garantir o desempenho durante a rotina de trabalho, fazer as capacitações necessárias técnicas nos serviços de estética animal e gestão de negócios para se destacar no mercado e, ainda assim, conciliar com todas as responsabilidades pessoais – principalmente a de ser mãe.


“Não é uma jornada fácil, mas acho que toda mulher deve respeitar a sua essência e fazer aquilo que deseja fazer. O crescimento só vem quando direcionamos o nosso foco”, orienta a empresária. “Hoje, eu vejo que as mulheres estão conquistando o seu espaço no mercado”, analisa.


Além de ver, Natália atua diretamente para garantir esse empoderamento. No ano de 2020, 86,4% dos 273 alunos matriculados na Uau Escola eram do sexo feminino. Muitas delas já começam o curso pensando em abrir o próprio negócio.



“Antes mesmo de terminar as aulas, quando eu não tinha nem saído do meu emprego, já estava comprando os equipamentos”, relata Patrícia Gobis, diretora do Pet Shop Gobis, localizado, também, em Sorocaba. “No começo, meu pai me deixou ficar com um quartinho na casa, mas o movimento foi tão grande que, ano passado, a gente expandiu. Hoje, eu já atendo pela casa toda”, revela.


Compartilhar o sucesso e o crescimento das mulheres no mercado pet já virou rotina, mas, para Natália, ainda é motivo de orgulho. “Para mim, o mais importante é ajudar pessoas que partiram do mesmo lugar que eu a atingirem os seus objetivos”, salienta a groomer. “Eu me sinto poderosa quando consigo cumprir vários papeis na sociedade com versatilidade e amor, isso me completa”, finaliza.



Por Murilo Vicentini | JF Gestão de Conteúdo   



                 
Leia também: 

Especialista em Fotografia Pet Lança Curso On-Line


                    Siga a revista no Facebook e Instagram