As festas Juninas já estão a todo vapor!

 

Para muitos Pets e tutores essa pode ser uma das épocas mais difíceis do ano! Pois não é muito difícil encontrar um Pet que tenha medo de fogos, não é mesmo?!


O ouvido canino é capaz de perceber uma frequência maior de sons, os cães são capazes de escutar barulhos a uma distância até quatro vezes maior do que nós conseguimos ouvir, enquanto nós somos capazes de captar vibrações entre 20 e 20.000 hertz, os cães as captam entre 15 e 40.000 hertz, e a queima de fogos com barulhos em comemorações como o São João, torna-se um momento de desespero para os animais domésticos.


Muitos se enganam achando que só os cãezinhos sentem medo, mas os gatos também sentem grande desconforto nesse período, pois eles também sentem uma frequência maior de sons, os gatos conseguem captar frequências ultrassônicas de até 1.000.000 Hz. Não é à toa que sons de fogos de artifício geram incômodos excessivos e traumas nesses animais!


Não é difícil ver clínicas veterinárias super cheias com cães e gatos que tenham se machucado tentando fugir ou tenham infartado nesse período do ano.


É assustador o número de pets que fogem atrás de refúgio todos os anos durante a queima de fogos em época Junina.


O que podemos fazer para proporcionar um bem-estar para esses pets, para assim amenizar esses momentos de estresse?


É importante levar esse pet para um cômodo da casa com maior isolamento acústico, colocar músicas ou ligar a tv para amenizar o som dos fogos, usar algodão nos ouvidos para também amenizar o barulho, fechar janelas, principalmente quem mora em apartamento para evitar as fugas e acidentes que são muito comuns nesse período.


Você pode conversar com o Veterinário do seu filho de quatro patas para dar tranquilizantes naturais, para amenizar o sofrimento do seu Pet.


Você também pode brincar com o seu pet, para que ele entenda que está tudo bem, para que ele se sinta seguro, e oferecer petiscos e brinquedos que ele goste, para tentar distrai-lo!

É importante que você não os deixe preso em coleiras para assim evitar acidentes e evitando que se machuque tentando escapar daquela situação.


Muitas famílias viajam nesse período Junino e querem levar o Pet nessa aventura!


Quem viaja com pet sabe como pode ser difícil com que ele se sinta confortável durante o trajeto, sendo ele longo ou até mesmo por pouco tempo.


A quebra da rotina para alguns pets pode resultar em dor de cabeça!


Então é importante que você o prepare para isso, deixe com que ele se acostume com a sua caixa de transporte, colocando sua caminha, brinquedos e petiscos próximo a caixa pelo menos durante uma semana antecedente a viagem, estimule seu pet a entrar na caixa sozinho, para que ele se sinta seguro ao estar nela.

Outra super dica é dar gotinhas do DogZen ou do CatZen para o seu pet antes da viagem!


São indicados nessas horas, porque além de proporcionar relaxamento, eles evitam que o seu pet se machuque durante a viagem, serão seus aliados nos momentos de estresse para o seu pet, pois é composto por plantas com propriedades calmantes e analgésicas!


Então não esquece, de levar o DogZen ou CatZen na mala do seu pet! ��


Elaboramos o DogZen e o CatZen, com muito carinho para trazer alívio para os nossos melhores amigos, para aliviar os Pets que tenham medo de Fogos e desconforto em viagens entre outros momentos, para assim proporcionar bem-estar a esses amigos que nos trazem tantas alegrias, e o melhor é que eles são 100% Naturais, proporciona tranquilidade e não agride o meio ambiente!


Conheça toda a nossa linha de produtos naturais.

Fitocleem, Protegendo Naturalmente!


Por Natália Braz - Fitocleem



INSCREVA-SE




Conheça viajantes que rodam o mundo com o animal de estimação

Levar os bichinhos para as aventuras deixa tudo mais leve (imagem: iStockphoto)







“Viagem com cães” apresentou um aumento de 52%: o convívio com os bichinhos faz bem para a saúde do coração


Sair viajando pelo mundo é o sonho de muita gente, mas algumas pessoas aproveitam a situação e levam seu fiel companheiro junto, para que se torne uma experiência completa para ambos. Segundo uma pesquisa do Google, o termo “Viagem com cães” apresentou um aumento de 52% neste mês de junho, em comparação ao mesmo mês do ano passado.
 

Jesse Koz e seu golden retriever, Shurastey, foram um pouco além de tudo isso, e desde 2017 viajavam por vários países dentro de um fusca, mas recentemente ambos sofreram um acidente de carro nos Estados Unidos, que o fizeram experimentar novas aventuras além da vida. Desde que Jesse tinha iniciado esse projeto, o cachorro estava presente em todas as aventuras.
 

Um estudo publicado por pesquisadores do Centro de Tecnologias Cardiovasculares da Universidade de Stanford, mostra que pessoas que possuem pets podem aliviar os sintomas de ansiedade, depressão e estresse.
 

Para milhões de pessoas, ter um animal de estimação promove um ciclo de amor, porque eles oferecem carinho e amizade, e promovem a felicidade, e normalmente os tutores têm comportamentos menos sedentários e taxas de colesterol e pressão arterial mais baixas. Segundo pesquisas dos CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) e do NIH (Instituto Nacional de Saúde), nos Estados Unidos, criar um bicho em casa ajuda a reduzir a pressão sanguínea, o colesterol e o nível de triglicérides.

 

Diante das pesquisas, vem a confirmação de que o convívio com os bichinhos faz bem para a saúde do coração. O tutor que leva o bichinho para viajar sabe que é uma decisão importante. Pois, se a pessoa vai passar muito tempo longe e pelo apego emocional não quer deixar o pet em casa, é necessário analisar comportamentos e como o lugar oferece serviços para os pets. “Sempre importante ver as demandas do local que você está indo e não esquecer dos itens essenciais para o seu bichinho, como: pote de ração e água, cinto e coleira própria, para poder passear com ele”, comenta Lisandro Corazza, CEO da Upvet, rede de farmácia de manipulação veterinária.


Na Upvet, melhor rede de farmácia de manipulação veterinária, possui um modelo itinerante de negócio que é a Upvet Store, que pode ser facilmente locomovida de acordo com a necessidade do franqueado, sendo uma ótima opção para quem ama animais, com um melhor custo-benefício. “Somos movidos por pensar no bem dos bichinhos e fazer com que a experiências deles, em vários aspectos, seja única”, conta Patricia Corazza, CO-CEO da Upvet.


E quando se trata de bichinhos de estimação, várias histórias comoventes e emocionantes se destacam por diversos lugares do mundo. Além da história de Jesse, existem vários dogs se aventurando com os seus tutores ao redor do mundo. Conheça alguns deles:


Lilo Mochileira


A cachorra da raça golden retriever, Lilo, conheceu vários países, e ficou famosa por viajar pela Europa por dois anos junto com os donos, casal de mochileiros de Cuiabá, Talita Alberti e Rennan Duarte. 

“Lilo mochileira”, como é conhecida, já foi para Portugal, Estados Unidos, Espanha, Andorra, França, Mônaco, Vaticano e Itália. Mas, segundo os donos, seus destinos preferidos são as praias.

Instagram 


Um Chopp pelo Mundo




Thalia Pinheiro decidiu há dois anos viajar para 18 países de toda a América, e junto dela está seu companheiro Vinicius Estrela e o cão Chopp, um golden retriever que vive com ela há cinco anos. Atualmente estão no Caribe. Instagram


Roque pelo Mundo




O casal Mirella Nascentes Santos, de 36 anos, e Atílio Faria Ribeiro, de 41, de Guaçuí, Espírito Santo, decidiu mudar de vida e rodar diversos países de bicicleta em 2018.

A pandemia interrompeu o percurso, mas em janeiro deste ano os dois voltaram com a missão de ir até o Canadá, agora na companhia do seu cachorro Roque, da raça shih-tzu. De lá, pretendem pegar um avião e percorrer a Europa com a bike.

Instagram

 

wakeup4travel


A cadelinha Bier também faz sucesso por viajar de motorhome com o seu tutor, Sergio Barino. A companhia começou quando Bier tinha apenas um ano. Em 43 dias viajando, de dezembro a janeiro deste ano, os dois passaram por 7 estados e rodaram um total de 5.600 km.

Nas redes sociais, Sergio fala sobre próximas aventuras no motorhome adaptado para ter a companhia de Bier. Instagram


 (Imagem: Instagram)














Os animais de estimação podem transmitir muitas emoções e sensações aos seus tutores, muitas vezes melhorar um dia que não esteja tão bom. Uma das falas de Jesse, é que sem o Shurastay toda a aventura dele por dezenas de países teria sido sem graça e que ele foi essencial para toda essa jornada.

 

A Upvet preza pelo bem-estar e cuidados dos bichinhos, e frisa o quanto é importante toda essa conexão entre o dono e o animal. Saiba mais, aqui.


 

A UpVet é considerada a melhor rede de farmácia de manipulação veterinária do Brasil. A franqueadora, com sede em Maringá-PR, tem 32 unidades de franquias espalhadas pelas regiões do Brasil. Desde 2007 no mercado, a UpVet possui o know how em manipulação veterinária nos setores Alopático e Homeopático com 5 segmentos bem definidos (Cães, Gatos, Aves, Cavalos e Zoo) atendendo as necessidades de médicos veterinários e seus clientes com respeito e amor. 




Por Maria Eduardo Chagas - Queissada comunicação 










Nova solução da Alelo dá voz aos pets e ajuda nos cuidados do dia a dia

 

Conectada com as novas tendências do mercado, empresa inova ao lançar uma versão beta do Hubigode, assistente virtual que simula a consciência dos pets e tira dúvidas sobre saúde e comportamento


Quem nunca sonhou em falar com seu pet? E se esse desejo se tornasse realidade? A Alelo, bandeira especializada em benefícios, incentivos e gestão de despesas corporativas, desenvolveu um aplicativo que conta com uma assistente virtual que humaniza e simula a consciência de pets, até mesmo o humor, de maneira divertida, além de auxiliar nos cuidados do dia a dia. Em uma versão beta, o “Hubigode” permite aos usuários cadastrem datas e horários de medicações e consultas com o veterinário, e também tirar dúvidas sobre saúde, comportamento, cuidados com o pelo e muito mais.


 

Hoje a população pet no Brasil é de quase 140 milhões, entre cães, gatos, aves e répteis, segundo o IBGE. Esse número cresceu muito nos últimos anos. Junto com isso, tem surgido demandas por novos produtos relacionados a esse setor. De acordo com Márcio Alencar, diretor de Estratégia Digital, Marketing e Negócios da Alelo, a companhia faz pesquisas constantes sobre tendências comportamentais e novas tecnologias, além disso, sempre está em contato com os consumidores e, por isso, está conectada com as necessidades do mercado para oferecer as soluções mais inovadoras.


 

“Esperamos que no futuro esse produto possa agregar dentro de um portfólio de benefícios ou até mesmo serviços de valor agregado. Mas a ideia não é parar só em clientes portadores de cartões Alelo, e sim começar a explorar uma venda direta ao consumidor final, como já acontece com Pede Pronto e Veloe. Podemos construir uma plataforma com vários serviços para petlovers e oferecer mais recursos que colabore com os tutores nos cuidados com os pets”, afirma o executivo.



 

O Hubigode conta com o conteúdo licenciado do parceiro Tudo Sobre Cachorros, entregando aos usuários um acervo variado de informações sobre diversas raças, tornando a experiência natural e divertida. Dentro do aplicativo, nessa fase de testes, os usuários poderão cadastrar até dois cachorros, selecionando entre 45 raças mais populares no Brasil disponíveis e vira-lata e por meio da assistente virtual haverá uma simulação de chat com os pets. O usuário também conseguirá criar lembretes de higiene, passeio, alimentação e vacinas, tudo de forma personalizada. Os lembretes serão enviados pelos próprios bichinhos no app e respeitarão o humor de cada pet. Todas as informações ficam localizadas dentro de uma agenda de compromissos, para o acompanhamento diário.


 

“Por meio do nosso Laboratório de Inovação (LAB), resolvemos explorar um novo segmento no mercado de soluções B2C, idealizando uma experiência totalmente diferente das oferecidas hoje pelas nossas soluções. Por se tratar de uma versão beta, queremos testar de fato a aceitação do produto no mercado, com usuários reais e ir aprimorando de acordo com os retornos que recebermos. O objetivo do aplicativo é reunir informações importantes para facilitar os cuidados com o animal e gerar uma experiência inesquecível para os clientes”, comenta Alencar.

 

O aplicativo Hubigode é gratuito e está disponível nas lojas de aplicativos para IOS ou Android.


 

Alelo. Somos feitos pra conectar pessoas -- de norte a sul, de gente pra gente. Com mais de 18 anos de história, nos tornamos especialistas em benefícios, gestão de despesas corporativas e incentivos -- tudo isso dentro dos segmentos de alimentação, cultura, transporte e saúde. O que oferecemos pro mundo?

· Produtos e serviços: Alelo Tudo, Alelo Refeição, Alelo Alimentação, Alelo Natal, Alelo Multibenefícios, Alelo Mobilidade, Alelo Frota, Alelo Gestão de VT, Alelo Cultura e Pede Pronto.

· Cartões pré-pagos: Alelo Despesas, Alelo Pagamentos, Alelo Premiação e Veloe.

· E todos os dias oferecemos tranquilidade pra mais de 100 mil empresas-clientes e 8 milhões de pessoas que confiam na gente. Sem esquecer que contamos com a maior rede de estabelecimentos comerciais afiliados do Brasil. É assim que, desde 2013, lideramos o setor de benefícios no Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT).



Por Amanda Barbosa - FSB.com.br 











Junho Vermelho: Animais também são doadores de sangue e podem salvar vidas

 

Animais podem ser doadores de sangue? A resposta para essa pergunta é sim



Assim como os humanos, os animais também estão suscetíveis a transfusões de sangue. E para receber, precisa ter alguém para doar.
E quais são os critérios para um animal ser doador de sangue e ajudar a salvar outras vidas? O principal deles é que o animal esteja em boas condições de saúde. Depois disso, ele precisa ter entre um e oito anos de idade e testar negativo para as principais doenças infecciosas de cada espécie que podem vir a ser transmitidas pelo sangue.
 

Quem vai atestar se o animal está apto a ser um doador, assim como indicar quais casos estão passíveis de transfusão é o médico-veterinário. A avaliação e acompanhamento do profissional são essenciais para garantir o bem-estar do doador e do paciente. “Se o doador for previamente avaliado por um médico-veterinário e ele atestar que o animal está apto a doar sangue os riscos são mínimos”, esclarece a médica-veterinária e presidente da Comissão de Ética, Bioética e Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia (CRMV-BA), Ilka Gonçalves, ao alertar que os felinos exigem uma atenção mais especial “no caso dos gatos existe o risco do stress da contenção ou da sedação que deve ser realizada por profissionais capacitados”.

 

Questões como o peso, que deve ser de, no mínimo, 27Kg para cães e de 4kg para gatos, temperamento e o estado físico do animal doador, que deve ter feito um jejum de 12 horas e ter tido um sono de boa qualidade antes do procedimento também devem ser observadas antes da doação. “A quantidade de sangue doado depende do peso do doador, mas é sempre uma que não provoque efeitos colaterais e por isso, é importante que sejam animais saudáveis. Animais obesos não são bons candidatos à doação, pois podem causar dano à saúde do receptor”, explica a médica-veterinária.


"Cada caso é tratado de maneira individualizada e o risco de óbito do animal não é descartado..." 
 

E por falar em riscos, quais são os riscos do procedimento? Para o doador, os riscos são mínimos, mas é importante que após a doação o animal fique em observação e não faça atividades físicas por alguns dias. Já o receptor, mesmo com os diversos testes e análises, pode apresentar algumas reações clínicas, que podem ser imunológicas ou não imunológicas, agudas ou tardias (que se manifestam em até 48 horas). Entre as reações mais comuns, estão estado febril, taquicardia, dispneia, aumento da frequência cardíaca e respiratória, salivação e convulsões.
 

As causas que podem levar um animal a precisar de uma transfusão de sangue vão desde uma hemorragia, uma anemia, problemas de coagulação, reposição de componentes sanguíneos ou até mesmo para normalizar a quantidade de sangue circulante e nesses e em outros casos, o animal transfusionado precisa de um doador compatível. Sim, os animais também possuem fatores sanguíneos diferentes e a transfusão não pode ocorrer indiscriminadamente.
 

Ilka Gonçalves faz outro alerta importante e que deve ser sempre considerado. ”Cada caso é tratado de maneira individualizada e o risco de óbito do animal não é descartado. Por isso, é fundamental que a transfusão seja realizada em uma clínica ou hospital com registro no CRMV e funcionamento vinte e quatro horas, com o acompanhamento de um médico-veterinário que vai monitorar o paciente durante o procedimento e também nas vinte e quatro horas seguintes”.
 

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? O Hospital de Medicina Veterinária da Universidade Federal da Bahia realiza durante todo o mês de junho uma ação de conscientização sobre a importância da doação de sangue para humanos e animais. No sábado (11), o Hospmev estará aberto para triagem e coleta de doadores cães e gatos. A atividade ainda vai contar com a participação das Ligas e Grupos de Estudo abordando assuntos sobre saúde única, saúde animal e zoonoses. O Hospmev fica localizado na Av. Milton Santos, nº 500, no bairro de Ondina, em Salvador(BA).



Por Lucas Figueredo 



Cursos e E-Books sobre cuidados com os Pets




“Dia Mundial sem Tabaco”, médica-veterinária faz alerta para os efeitos do tabagismo em animais com tutores fumantes

 

A Dra. Karin Botteon, da Boehringer Ingelheim, esclarece que os Pets também podem se tornar “fumantes passivos” e desenvolverem problemas de saúde ao longo da vida


Comemorou-se no dia 31 de maio o “Dia Mundial sem Tabaco”, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1987, para alertar sobre doenças e mortes causadas pelo tabagismo. A Dra. Karin Botteon, gerente técnica da área de Pets da Boehringer Ingelheim, avisa que cães e gatos que convivem com tutores fumantes podem desenvolver diversos problemas de saúde, incluindo determinados tipos de câncer.


 

“Há muito tempo, a medicina reconhece que pessoas que convivem com fumantes tornam-se ‘fumantes passivos’, pois respiram o mesmo ar e inalam as toxinas dos cigarros. É natural, e comprovado pela literatura da medicina-veterinária, que o mesmo ocorre com os Pets”, afirma. “E mesmo que os tutores fumem em ambientes abertos e longe dos animais, os resíduos do tabaco ficam sobre a pele, roupas, móveis e chão, podendo entrar em contato com eles, causando intoxicação”.


 

As consequências para o contato frequente com tabaco são muitas. Cães que inalam fumaça de cigarros e que já tem doenças respiratórias pré-existentes podem ter os seus sintomas agravados. Além disso, eles tendem a apresentar alterações pulmonares semelhantes àquelas encontradas nos seres humanos fumantes. A raça e a anatomia também são fatores determinantes: cães de focinho longo tendem a acumular mais partículas na narina e não nos pulmões, o que os coloca em um risco aumentado de câncer nasal; já os cães de focinho muito curto não filtram tanto estas partículas que chegam mais facilmente aos pulmões, aumentando o risco de câncer deste órgão.


 

Já os gatos que convivem com fumantes têm de 2 a 4 vezes mais chance de desenvolver carcinoma de células escamosas na cavidade oral, um tipo extremamente agressivo de câncer. Além disso, eles também têm uma chance de até 3 vezes maior de desenvolver linfoma (similar ao linfoma Não-Hodgkin de humanos). O fato de os felinos se lamberem com frequência para manutenção da higiene também os coloca em exposição a partículas nocivas dos cigarros.


 

“É fundamental que os tutores tenham consciência de fatores ambientais que podem influenciar na saúde dos Pets, e o uso contínuo do cigarro pode prejudicar diretamente a saúde de todos que convivem na mesma casa”, finaliza a Dra. Karin.


 

Referências bibliográficas:


US Food and Drug Administration:  www.fda.gov/animal-veterinary/animal-health-literacy/be-smoke-free-and-help-your-pets-live-longer-healthier-lives#Endnotes


VCA Hospitals: www.vcahospitals.com/know-your-pet/the-effects-of-second-hand-smoke-on-pets#:~:text=However%2C%20secondhand%20smoke%20is%20not,respiratory%20issues%2C%20including%20lung%20cancer




*A Boehringer Ingelheim Saúde Animal está trabalhando em inovação de primeira classe para a previsão, prevenção e tratamento de doenças em animais. Para veterinários, tutores, produtores rurais e governos em mais de 150 países, oferecemos um portfólio amplo e inovador de produtos e serviços para melhorar a saúde e o bem-estar de animais.




Por Fábio Martins - Ideal HKS







Reserve Seu Stand - Garanta Sua Participação!!!

Porto MG organiza arrecadação para projeto de resgate e reabilitação de cães

Foto: Porto MG/Divulgação




Valor arrecadado no evento interno da instituição será revertido na compra de ração para animais do Projeto Cãomer


Na última semana, a Porto MG realizou um bazar social para os colaboradores da empresa na Sucursal localizada em Belo Horizonte. O valor arrecadado será revertido para a compra de ração para animais do Projeto Cãomer e a entrega da doação será realizada nesta sexta-feira (3/6). Antes disso, funcionários voluntários da Porto também estiveram presentes na feira de adoção realizada pela organização no último sábado (28).


 

Para Angélica Coelho, assistente administrativo na Sucursal Minas Gerais e responsável pelo bazar social, essa é uma ação do bem que mobiliza pessoas e tem um poder transformador.


 

“Praticar o bem e mobilizar pessoas para promover ações sociais e transformar vidas nos provoca um sentimento de satisfação imensurável. Viver isso no dia a dia nos torna pessoas mais humanas. Acho que todo mundo deve participar de um ato solidário em algum momento da vida, pois é transformador."


 

O bazar social foi realizado internamente com peças doadas por funcionários e todas as regionais do estado puderam participar do evento, em formato on-line. Após a escolha das peças via redes sociais, o envio foi feito pelos Correios.


Para Wesley, ser solidário gera frutos inimagináveis no coração de quem recebe, mas no de quem doa também - Foto: Porto MG/Divulgação



















“Ações sociais nos engrandecem como seres humanos. E, nesse bazar, pudemos estar juntos, confraternizando um espaço em busca do mesmo objetivo: o bem, mantendo firme o nosso objetivo de ser sempre um porto seguro para os outros, inclusive os animais. Qualquer ajuda pode salvar uma vida, e é por isso que fazemos questão de ajudar esses cães de alguma forma. Afinal, ser solidário gera frutos inimagináveis no coração de quem recebe, mas no de quem doa também”, afirma o Head da Porto MG, Wesley Andrade. 
 

Por Jéssica Mayara - Pessoa Comunicação