segunda-feira, 9 de abril de 2018

CARRAPATOS E PULGAS: CHEGA DE COÇA COÇA

Alguns cuidados precisam ser tomados para garantir a saúde e bem estar dos animais
Carrapatos e pulgas precisam ser combatidos, pois, além da coceira muitos outros problemas podem prejudicar o animal. “Em alguns casos podem ocorrer: apatia, diminuição de apetite, desenvolvimento de enfermidades como anemias, micoplasmose em gatos (ocasionada pela picada de pulga infectada) e as temidas hemoparasitoses em cães (transmitidas por carrapatos infectados), as quais necessitam de tratamento medicamentoso, e em casos mais graves, além de medicamentos, transfusão sanguinea, explica a Dra. Milena Guimarães, médica veterinária do Hospital Veterinário Cão Bernardo.
E, vale ressaltar, que nenhum pet está livre, pois em algum momento eles poderão ir passear com os proprietários ou frequentar pet shops. Além disso, nós mesmos podemos carregar esses ectoparasitas em roupas e sapatos. Também é possível que em residências vizinhas, caso haja infestação de carrapatos, eles possam vir por muros e corredores de apartamentos ou proximidades de portas e portões. Por isso, mesmo que o seu bichinho não fique solto ou freqüente locais públicos é preciso ter cautela.
Para tratar de pulgas é recomendado o uso de medicamentos mensalmente, seja via oral, sprays ou top spot. Já para carrapatos os cuidados precisam ser diferenciados. "Infestação de carrapatos é um pouco mais complexa, além da necessidade de aplicação de medicações seguindo o mesmo esquema do tratamento contra pulgas, há necessidade de avaliação de um médico veterinário para realização de exames como hemograma, 4dx ou mesmo PCR erlichia/babesia, pois os carrapatos passam doenças que se não tratadas poderão ser fatais ao paciente em questão”, afirma a Dra. Milena Guimarães.
Para finalizar é importante destacar que banhos semanais e higiene do local onde os animais vivem é de extrema importância em todo o ano, e, nessa época é essencial para manter tudo em ordem e poder aproveitar essas estações tão gostosas com sol, descontração e passeios e sem preocupação.
Para mais informações sobre o Hospital Veterinário Cão Bernardo acesse: www.caobernardo.com.br
Por Emília Rebelo - AMBCom - atendimento@agenciaamb.com.br

terça-feira, 3 de abril de 2018

QUAIS BRINQUEDOS PODEM FAZER MAL AOS CACHORROS?

Se você tem um cachorro provavelmente fica maluco quando vai a um pet shop, afinal, todos os brinquedos são perfeitos para o seu melhor amigo e você sempre acha que vai falir
comprando todos.

Apesar da euforia de querer ver o seu cão feliz com algo novo, você deve prestar atenção nos itens que escolhe, pois algum deles podem ser prejudiciais para a saúde canina e até machucar o seu bicho.

Quais brinquedos não são recomendados?
Por mais que os cãezinhos tenham o hábito de brincar com qualquer objeto que simplesmente esteja na visão deles, fique sempre atento que tipo de objetos são esses, pois o ideal é o seu cão brincar com brinquedos que sejam feitos para ele.

Alguns brinquedos, por mais que pareçam inofensivos, podem sim fazer mal aos cães. 
Separamos uma lista com alguns brinquedos que não parecem, mas podem não ser uma boa companhia.

Brinquedos com corda
Muitos brinquedos feitos para cão tem corda, mas se você reparar, todos eles tem uma corda mais grossa e maior, então dificilmente seu cãozinho vai engolir.

Mas se houver algum brinquedo que tenha uma corda mais fina, seu bichinho pode engoli-la e se engasgar, ou até mesmo ter uma obstrução no intestino, necessitando de uma cirurgia para remoção do objeto.

Brinquedos de pelúcia
Os bichos de pelúcia retratam os mesmos problemas que o brinquedo com corda. Seu amigo pode se engasgar com a pelúcia ou engolir, e, novamente, terá que recorrer a uma
cirurgia para o segundo caso.

Bolas de golfe e tênis
Esse item parece ser até pegadinha, visto que sempre vemos cães brincando com bolas de tênis. E em filmes ou seriados, esse brinquedo é sempre visto. Mas, é preciso lembrar que um dos materiais usados para a produção dessas bolas é a fibra de vidro.

Então, se o seu cachorrinho brinca uma vez ou outra com uma bola, provavelmente nada irá acontecer. Porém, se esse é o brinquedo favorito do seu melhor amigo, o ideal é acostumá-lo com outro então. Com o tempo, os dentes podem ficar desgastados.

Uma boa escolha para não deixá-lo sem uma bolinha, é procurar outra com materiais diferentes, por isso é importante sempre se certificar que tipo de material os brinquedos são produzidos.

Brinquedos velhos
Naturalmente todo cão tem o seu brinquedo preferido, e é aí que o perigo mora. Brinquedos muito velhos podem estar despedaçando, faltando partes, e para o seu cachorro engolir alguma dessas partes é muito fácil. Por isso, jogue esses brinquedos no lixo.

Para ele não sentir falta, procure comprar um brinquedo igual para substituir ou tente o acostumar com brinquedos novos para eles ter um novo favorito.

Fique de olho nos sintomas
Na maioria dos brinquedos citados, um dos fatores para que eles sejam perigosos é a ingestão. Portanto, fique de olho em alguns sintomas que o seu cãozinho pode ter, que podem indicar que o seu cachorro engoliu algum pedaço de brinquedo e o fez mal.

Alguns sintomas comuns nesses casos são as tosses, diarreias, barriga inchada, falta de ar e apetite e dificuldade de ir ao banheiro em um longo período de tempo. Se você verificar algum desses sintomas, leve-o ao veterinário imediatamente. 

Importância dos brinquedos
Por mais que tenhamos que ter cuidado com os brinquedos que os nossos amigos estão brincando e que existem algumas restrições, é preciso lembrar sempre de como os
brinquedos são importantes para o desenvolvimento bicho.

Eles precisam se divertir! Ter brinquedos é fundamental para enriquecer as brincadeiras e desenvolver o cachorro, tanto fisicamente quanto mentalmente. Então, fique de olho na qualidade e nos materiais usados na composição dos brinquedos para o seu amigo, o resto é só diversão!

Por Gear SEO

quinta-feira, 29 de março de 2018

PÁSCOA COM SEU ANIMALZINHO

























Vai viajar na Páscoa? Cuidado com algumas regras para seu animalzinho continuar saudável
Muita gente aproveita o feriadão da Páscoa para viajar! E, grande parte dessas pessoas leva o pet junto para aproveitar os dias de descanso com a família completa. Mas, algumas regrinhas precisam ser seguidas para que tudo fique em perfeita harmonia durante esse período.
Na Páscoa, costumamos reunir os amigos e a família um belo almoço, mas é importante sempre manter um olho no seu pet para que ninguém dê comida humana para ele. Os temperos podem fazer muito mal à saúde dele. Sem contar que chocolate é terminantemente proibido para os animais, eles causam intoxicação e podem levar o animal a óbito.
Também separamos algumas dicas para que tudo saia perfeitamente bem. Os cachorros precisam passear, mas alguns cuidados também precisam ser tomados para que a diversão seja saudável e segura para todos.
Primeiro é importante levar algumas coisinhas para sair com os cães, guia para a coleira, petiscos, água e lixinho para recolher as fezes são essenciais e não podem faltar no checklist do passeio.
Segunda a veterinária Aline Spina, do Hospital Veterinário Cão Bernardo, é importante também ficar de olho no que o animal ingere no passeio e respeitar os limites para não forçar atividades físicas se o cachorro demonstrar cansaço e sempre ficar atento à temperatura do chão para não queimar as patinhas.
Vale ressaltar que em alguns Estados é obrigatório por lei o uso de focinheira em determinadas raças como Pitbull, Mastin Napolitano, Rottweiller, American Stafforshire Terrier, entre outras.
Para mais informações sobre o Hospital Veterinário Cão Bernardo acesse: www.caobernardo.com.br
Por Emília Rebelo - AMBCom - atendimento@agenciaamb.com.br

segunda-feira, 26 de março de 2018

PASSEAR É PRECISO!

Hidratação, horário e guia correta são detalhes que não podem passar despercebidos
Quem tem um cachorro em casa sabe o quanto os animais ficam eufóricos para passear, né? E isso vai muito além da “hora de fazer as necessidades”, eles precisam caminhar, pelo menos uma vez por dia, para se exercitar, socializar, e até mesmo para criar uma disciplina. O passeio também pode ser bacana para estreitar os laços entre dono e cão, além de ser bem divertido.
Entretanto, é preciso tomar alguns cuidados para que o passeio seja saudável e seguro para todos. Primeiro é importante levar algumas coisinhas para sair com os cachorros, guia para a coleira, petiscos, água e lixinho para recolher as fezes são essenciais e não podem faltar no checklist do passeio.
Segunda a veterinária Aline Spina, do Hospital Veterinário Cão Bernardo, é importante também ficar de olho no que o animal ingere no passeio e respeitar os limites para não forçar atividades físicas se o cachorro demonstrar cansaço e sempre ficar atento à temperatura do chão para não queimar as patinhas.
Além disso, é preciso tomar algumas medidas com relação a saúde e prevenção de doenças.    “Com relação a saúde é extremamente importante que o animal esteja com a vacinação atualizada, a realização de vermifugação periodicamente e também efetuar proteção contra pulgas e carrapatos, explica Dra. Aline.   
Vale ressaltar que em alguns Estados é obrigatório por lei o uso de focinheira em determinadas raças como Pitbull, Mastin Napolitano, Rottweiller, American Stafforshire Terrier, entre outras.
Passear é muito bom para os cachorros, não apenas para fazer as necessidades físicas, mas para exercitar e também socializar fora dos limites da casa. Portanto, se você ainda não criou esse hábito com o seu animal, que tal começar? 
Para mais informações sobre o Hospital Veterinário Cão Bernardo acesse: www.caobernardo.com.br

sexta-feira, 9 de março de 2018

ÓRTESE E PRÓTESE AJUDAM ANIMAIS AMPUTADOS

Recursos fisioterápicos como órtese e prótese ajudam animais amputados e/ou deficientes a recuperarem sua mobilidade

Em tempos em que os animais estão cada vez mais presentes no convívio familiar, lidar com problemas graves que podem levar à paralisia ou mesmo amputação de membros pode trazer sofrimento não só aos pets, mas também aos seus donos.

Assim como os humanos, os cães podem ser vítimas de doenças ou acidentes que, dependendo da gravidade, podem interromper suas atividades normais definitivamente,
levando-os a uma vida de total dependência de seus tutores.
Felizmente, com o avanço da medicina e a dedicação de profissionais da área veterinária, a maioria dessas enfermidades podem ser minimizadas com a utilização de
tecnologias que até pouco tempo eram restritas ao ser humano. Estamos falando das órteses e próteses, equipamentos que auxiliam na mobilidade dos cães, promovendo uma vida mais saudável.

As órteses são aparelhos cujo objetivo é suprir ou corrigir a alteração morfológica de um órgão, um membro ou um segmento de um membro, e até a deficiência de uma função. Já as próteses são destinadas à substituição de órgãos, de um membro ou parte do membro destruído ou gravemente acometido.

Em formato de tala e composto por materiais como neoprene e materiais termoplásticos, as órteses são desenvolvidas para oferecer ao animal o máximo de conforto e mobilidade, tanto para as patas dianteiras (ombros, cotovelos e carpos) quanto para as traseiras (quadril, joelhos e calcanhares). Os equipamentos são ajustados com tiras de velcro e estão disponíveis comercialmente de acordo com tamanho, do Micro ao GGG, ou podem ser confeccionados sob medida.

No caso das próteses, sua função é substituir partes de membros amputados ou até membros com má formação congênita, torácico ou pélvico. Tanto para o membro torácico quanto para o pélvico o equipamento pode aumentar a autonomia, melhorando a qualidade de vida e o conforto, além de manter a coluna do animal alinhada.

Stella Sakata, médica veterinária especialista em fisiatria e fisioterapia para animais de pequeno porte, explica que é essencial que o processo de reeducação para a caminhada e o retorno à vida normal seja acompanhado de um profissional. “É muito importante a fase de adaptação ao aparelho, pois o animal precisa adquirir a consciência corporal nesta nova etapa, e isso é feito através de exercícios dirigidos de acordo com o membro afetado”, conclui.

Por Daniel Smith I News Prime